Pantanal negocia com TAM, Azul e Trip

O grande atrativo da empresa é o direito de operar 32 slots (permissão de pouso ou decolagem) por dia em Congonhas, na Capital

Companhia aérea Azul investe para crescer em tempos de crise
Azul recebe mais duas aeronaves Embraer 195
Azul recorre à Justiça para poder operar no Aeroporto Santos Dumont

A companhia aérea Pantanal, em processo de recuperação judicial desde dezembro de 2008 e que opera em Bauru com vôos diários para São Paulo, Araçatuba e Marília, está negociando com a TAM, Azul e Trip a venda de parte dos seus ativos operacionais. A negociação faz parte do plano de recuperação que será apresentado pela empresa aos credores no início de abril. O grande atrativo da empresa é o direito de operar 32 slots (permissão de pouso ou decolagem) por dia em Congonhas, na Capital.

De acordo com o advogado Thomas Müller, da Sérgio Müller & Associados, que defende a companhia, as negociações acontecem ao mesmo tempo com as três empresas. O advogado prefere não adiantar qual discussão estaria mais avançada, mas afirma que espera um desfecho positivo das negociações antes da apresentação do plano de recuperação aos credores no próximo mês.

A empresa tem atualmente uma dívida na faixa de R$ 13 milhões a R$ 15 milhões com credores, além de dívidas tributárias, basicamente de PIS e Cofins, que podem chegar a R$ 50 milhões. Segundo Müller, a TAM é uma das principais credoras da companhia. ‘A empresa realizou um empréstimo de cerca de R$ 5 milhões para a Pantanal em 2007, período em que as duas negociavam uma aproximação’, explica. O negócio só não ocorreu, explica, porque a TAM considerou ser grande o risco de contaminação tributária.

Na avaliação da equipe de análise da corretora Link, a TAM figura como principal candidata à compra da Pantanal, pois além de barrar um novo entrante em Congonhas, a empresa está entre os maiores credores da Pantanal. ‘Por outro lado, a Azul tem enorme interesse em operar no aeroporto paulista o quanto antes e poderia pagar um preço de acordo com tal interesse’, destaca em análise divulgada ontem.

Os analistas da Link ressaltam, no entanto, que devido ao tamanho reduzido das operações da Pantanal – a empresa fechou 2008 com 0,17% de participação no mercado doméstico, número já influenciado pela situação ruim da companhia – uma possível aquisição da TAM não teria grande influência nos papéis da empresa. A Link mantém a recomendação de neutro para as ações do setor.

COMMENTS