Não haverá privatização da Infraero

A afirmação foi dada durante entrevista sobre a contratação de empresa para estudos sobre a reestruturação da Infraero

Perdas nas safras com aquecimento global podem superar R$ 7 bilhões em 2020, alerta estudo
Desconto em tarifa da Inframar amplia competitividade do Porto de Paranaguá
Aéreas podem ser beneficiadas com movimento

O presidente da Infraero, Cleonilson Nicácio Silva,  assegurou que não haverá privatização da estatal. A afirmação foi dada durante entrevista sobre a contratação de empresa para estudos sobre a reestruturação da Infraero. Também participaram da coletiva o presidente do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, e o secretário de Aviação Civil do Ministério da Defesa, Jorge Godinho Barreto Nery.

O estudo contratado deverá apresentar um projeto de reorganização da gestão e de processos internos da empresa, modelos alternativos de gestão e/ou de configurações empresariais e a elaboração de Plano Estratégico. O objetivo é adotar procedimentos para a Infraero se tornar uma empresa de economia aberta.

O Ministério da Defesa coordenará um Conselho Consultivo com o objetivo de supervisionar o estudo e avaliar as propostas de implementação. Caberá ao BNDES coordenar os trabalhos dos consultores e submetê-los à apreciação dos conselheiros.

Para Nicácio, o estudo vai aperfeiçoar as melhorias adotadas na gestão da empresa. “Tudo que pode ser feito para melhorar a empresa para entrar no mercado de capitais já foi aprovado no conselho de administração da Infraero”, explicou. Entre as mudanças estão a nova estrutura das regionais da estatal e alterações no seu estatuto.  “O trabalho do BNDES vai ajudar a Infraero a se preparar ainda mais para avançar nos mercados nacional e internacional”, afirmou o presidente.

Luciano Coutinho lembrou que o BNDES vai atuar como consultor para fazer com que a empresa seja não só mais eficiente, como melhore em matéria de governança e gestão. “O que nós queremos é fortalecer a capacidade de investimento e de desenvolvimento do sistema aeroportuário brasileiro”, expôs.  Segundo ele, isso só pode ser feito de maneira articulada com a principal empresa de infraestrutura aeroportuária.

A contratação da consultoria está prevista em um termo de cooperação técnica firmado entre o Ministério da Defesa e o BNDES em outubro de 2008. O edital da concorrência foi publicado nesta quinta-feira (5/3) no Diário Oficial da União.

Os licitantes terão que apresentar propostas técnicas e de preço até o dia 30 de abril e a contratação deverá ocorrer até quatro meses após a publicação do edital. A partir daí, o vencedor terá nove meses para conclusão dos estudos.

Atuação internacional

Um dos objetivos do estudo, segundo Nicácio, é preparar a empresa para atuar internacionalmente. “Queremos uma Infraero forte, competitiva, que saia do Brasil e vá buscar gestão de aeroportos”, disse. De acordo com o presidente, o desejo da empresa é virar uma economia mista nos parâmetros modernos de governança coorporativa.

O presidente da Infraero lembrou que a empresa tem feito uma série de investimentos em todo país, desde a aquisição de equipamentos, construção e reforma de pistas, além de novos Terminais de Passageiros e de Logística de Carga. A abertura de capital ajudaria a agilizar esses empreendimentos.

COMMENTS