Frigoríficos se dividem sobre ajuda do governo para evitar demissões no setor

Dos 21 grandes frigoríficos representados pela Abiec, sete já pediram recuperação judicial devido a problemas de crédito gerados pela crise financeira internacional

GNV deixa de ser vantajoso para os taxistas
Austrian Airlines anuncia que irá retirar 12 aeronaves de sua frota
BNDES financia estudos sobre o setor aéreo

O diretor executivo da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec), Otávio Cançado, defendeu hoje (16), em entrevista à Agência Brasil, a intervenção imediata do governo no setor de frigoríficos, bem como “em todos os setores que estejam passando por dificuldades similares”.

Dos 21 grandes frigoríficos representados pela Abiec, sete já pediram recuperação judicial devido a problemas de crédito gerados pela crise financeira internacional. Cançado revelou que o número de desempregados nessas sete empresas alcançou 52 mil. Pelos cálculos da entidade, caso não sejam tomadas medidas para atenuar a crise, o desemprego pode passar de 100 mil pessoas, considerando-se que, para cada emprego formal criado em um frigorífico, são gerados mais dois empregos fora.

Cançado ressaltou que o pedido de recuperação judicial dessas empresas não significa que haja uma crise instalada no setor como um todo. “É uma crise pontual de cada empresa”, afirmou. “Outros frigoríficos, como JBS, Bertin e Minerva, por exemplo, não apresentam dificuldades”, assegurou.

O diretor executivo da Abiec vê com bons olhos a possibilidade de socorro do governo federal às empresas do setor que estejam passando por dificuldades. “Se há dificuldade de capital de giro no setor, que é o que move essas empresas frigoríficas, há que ter uma intervenção governamental, sim”, defendeu.

Cançado disse que, no Brasil, as indústrias exportadoras de carne são mais uma parcela do setor produtivo que está sendo afetado pela crise internacional. E frisou que “até agora não foi socorrida pelo governo nenhuma empresa do setor produtivo. Eu acho que o governo já deveria ter feito isso”. Um socorro público, sob a forma de financiamento por meio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), pode, segundo Cançado, evitar efeitos piores da crise, como redução do emprego, queda da renda e da balança comercial.

Por outro lado, pelo menos 50 plantas frigoríficas de pequeno e médio portes, filiadas à Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo), já estão com as atividades paralisadas, representando perda de cerca de 15 mil empregos. Foi o que revelou o presidente da entidade, Péricles Salazar. Alguns desses frigoríficos também já entraram com pedido de recuperação judicial. Ele estima que 30 mil bovinos deixaram de ser abatidos mensalmente nessas 50 plantas.

Salazar atribuiu boa parte das dificuldades do setor à crise externa. Ele, no entanto, atribuiu, em alguns casos, às próprias empresas a responsabilidade pelos problemas, que resultam de erros estratégicos. “O setor não está bem. Está atravessando um momento de grande dificuldade, tanto para os frigoríficos que exportam, como para os que estão presentes no mercado interno”, relatou.

Os pequenos e médios frigoríficos já vinham passando por dificuldades, mesmo antes da deflagração da crise internacional, em setembro do ano passado. Segundo Salazar, esses empresários vinham enfrentando problemas no que se refere ao abastecimento de matéria-prima, que é o gado para o abate. Desde de outubro do ano passado, as exportações brasileiras vêm sofrendo o impacto da crise externa, com a suspensão dos embarques para Rússia e União Européia. Salazar disse que a pequena recuperação observada no começo deste ano “não chega nem perto dos níveis anteriores.”

Apesar da crise, Salazar se mantém contrário a qualquer tipo de socorro governamental ao setor que signifique a injeção de recursos do BNDES, por exemplo. “Porque nós entendemos que é uma distorção que gera no mercado. Isso porque somente poucos são beneficiados e uma grande maioria fica à margem desses financiamentos por parte do governo. Se nós já éramos contra antes, somos mais contra agora”, afirmou.

O presidente da Abrafrigo observou que, no caso dos grandes frigoríficos, além dos problemas estruturais da cadeia produtiva, como indisponibilidade de bovinos para abate e a crise financeira que gerou a perda da exportação, foram cometidos erros de gestão interna. “E nós não podemos concordar que recursos públicos financiem plantas que erraram em sua gestão interna. Não podemos permitir que se socialize o prejuízo e capitalize o lucro”.

Salazar defendeu que um eventual financiamento para o setor frigorífico deva abranger todas as empresas e não somente as de grande porte. Na avaliação da Abrafrigo, é preciso também que as próprias empresas promovam rearranjos de gestão. “Elas [empresas] vão ter que se reorganizar estrategicamente. Vão ter que definir novos rumos e buscar instrumentos próprios, que não recursos públicos, para se ajudar. Como sucede em toda operação. A empresa que errou vai ter que pagar o preço”, disse.

Link para a matéria

COMMENTS