Fiems aposta no crescimento com IP e VCP em operação

A potencialidade do MS facilita o escoamento da produção de qualquer parte do mundo, disse o governador André Puccinelli

Certificação operacional atesta qualidade de sete aeroportos da Infraero
Diário Oficial publica norma que trata da comunicação de venda de veículo
Terminal no Porto de Santos recebe R$ 35 mi de fundo

O presidente da Fiems – Federação das Indústrias de Mato Grosso do Sul -, Sérgio Longen, destacou nesta terça-feira (24/03), durante encontro do presidente mundial da IP (International Paper), John Faraci, com o governador André Puccinelli, a importância do início da operação da fábrica de papel da empresa no município de Três Lagoas para o desenvolvimento do Estado.

“Essa visita é uma prova concreta da previsão feita por nós em janeiro de que o PIB Industrial do Estado terá um bom desempenho neste ano com a entrada em operação das indústrias do setor de papel e celulose”, lembrou Sérgio Longen, referindo-se também à VCP (Votorantim Celulose e Papel).

Segundo ele, a presença do presidente mundial da IP em Mato Grosso do Sul reforça o papel estratégico do Estado para a multinacional. “É importante nós marcarmos esse registro de crescimento da indústria em Mato Grosso do Sul”, destacou.

O governador André Puccinelli também destacou que está satisfeito com o início da operação da IP e VCP em Três Lagoas. “Espero que, com o apoio do nosso Governo, a IP possa duplicar sua fábrica em Mato Grosso do Sul e não no Rio Grande do Sul”, disse a John Faraci, reforçando que a crise financeira mundial no Estado já acalmou.

André Puccinelli aproveitou para destacar para o presidente mundial da IP as potencialidades do Estado, que ocupa uma posição estratégica em termos de logística. “Estamos no centro da América do Sul, o que facilita o escoamento da nossa produção para qualquer parte do mundo, seja por via área, terrestre ou fluvial”, informou.

Ao agradecer o apoio do Governo do Estado para a implantação de uma unidade da IP em Três Lagoas, John Faraci disse que, após o encontro com o governador, ficou claro o porquê de a empresa ter selecionado Mato Grosso do Sul para construir a primeira fábrica de papel fora dos Estados Unidos. “É uma demonstração da capacidade de Mato Grosso do Sul de atrair investimentos estrangeiros”, reforçou.

O presidente mundial da IP declarou ainda ter ficado muito impressionado com a explanação feita pelo governador, que deixou claro ter um plano de desenvolvimento de infra-estrutura rodoviária, ferroviária, aeroportuária e hidroviária para o Estado. “É fundamental para o crescimento da economia se ter uma boa infra-estrutura de logística de transporte”, finalizou.

Também participaram da reunião o diretor da Fiems, José Francisco Veloso, o presidente da IP Brasil, Maximo Pacheco, a secretária estadual de Desenvolvimento Agrário, da Produção, da Indústria, do Comércio e do Turismo, Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias, o secretário estadual de Meio Ambiente, das Cidades, do Planejamento, da Ciência e Tecnologia, Carlos Alberto Negreiros Said de Menezes, do prefeito de Campo Grande, Nelson Trad Filho, entre outros.

A empresa

A fábrica de papel da IP começou a operar em fase de teste, em fevereiro deste ano, contando com 220 funcionários, sendo que 90% deles são moradores do município de Três Lagoas e de Brasilândia e foram capacitados pelo Senai. Já a partir do próximo mês a empresa começará a utilizar matéria-prima (celulose) produzida pela VCP, que acaba de receber a licença de operação e entra em funcionamento na próxima segunda-feira (30/03).

A fábrica de papel em Três Lagoas representa um investimento de US$ 300 milhões, sendo que tem capacidade para produzir 200 toneladas de papel por ano. Trata-se da primeira fábrica construída pela IP fora dos Estados Unidos, desde a sua fundação, em 1898. Somadas as outras duas unidades instaladas em Mogi Guaçu e Luiz Antônio, no interior de São Paulo, a IP passará a produzir um milhão de toneladas de papel por ano.

O projeto para construção de uma fábrica em Mato Grosso do Sul existe há aproximadamente duas décadas, quando a IP começou a plantar as primeiras florestas em Três Lagoas. Em 2006, a empresa realizou uma troca de ativos com a VCP. Pela troca, a IP adquiriu a fábrica de papel e celulose em Luiz Antonio (SP) e a VCP ficou com a base florestal em Mato Grosso do Sul e ainda com o projeto da fábrica de celulose.

As fábricas da Votorantim e International Paper representam o maior investimento privado de Mato Grosso do Sul e devem aumentar o Produto Interno Bruto (PIB) nacional em 0,15%, o PIB do Estado em 13% e a economia do município de Três Lagoas em 300%. Além disso, a IP é referência mundial como produtora de papéis não revestidos e embalagens, atuando na América do Norte, Europa, Rússia, América Latina, Ásia e norte da África.

Seus negócios também incluem a Xpedx, a maior distribuidora de papéis para impressão, suprimentos e equipamentos gráficos da América do Norte. Com sede nos Estados Unidos, a IP emprega aproximadamente 61.500 pessoas em mais de 20 países, e atende clientes em todo o mundo. Em 2008, o total de vendas da companhia foi cerca de US$ 25 bilhões. No Brasil, a International Paper emprega 2.627 profissionais e possui três fábricas: duas no Estado de São Paulo e uma no Mato Grosso do Sul.

Seus produtos, as linhas de papéis para imprimir e escrever Chamex e Chamequinho e a linha gráfica de papéis Chambril, são produzidos a partir de florestas 100% plantadas e renováveis, certificadas pelo Cerflor, sistema brasileiro de certificação florestal gerenciado pelo Inmetro e reconhecido internacionalmente pelo PEFC (Program for Endorsement on Forestry Certification).

Link para a matéria

COMMENTS