Defesa do Consumidor debaterá itens de segurança de veículos

Segundo dados da Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP), com base na média entre os anos de 2003 e 2006, o trânsito brasileiro deixa por ano 34 mil mortes; 100 mil pessoas com deficiências temporárias ou permanentes e 400 mil feridos

IPVA até 14% mais barato (MT)
Gaudenzi diz que obras no Aeroporto de Guarulhos precisam ficar prontas até metade de 2009
Senado deliberará sobre medida provisória que concede incentivo fiscal a montadoras

A Comissão de Defesa do Consumidor vai realizar audiência pública para debater os itens de segurança obrigatórios nos veículos brasileiros. O requerimento, de autoria do deputado Dimas Ramalho (PPS-SP), foi aprovado nesta quarta-feira. A data da audiência ainda não foi marcada.

Ramalho explicou que, segundo dados da Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP), com base na média entre os anos de 2003 e 2006, o trânsito brasileiro deixa por ano 34 mil mortes; 100 mil pessoas com deficiências temporárias ou permanentes e 400 mil feridos.

“São números assustadores que nos permitem imaginar o drama humano a que estão submetidas milhares de famílias brasileiras. Acreditamos que essa discussão é mais do que essencial para podermos comparar com o que é encontrado em outros países e, a partir daí, construir alternativas para que a falta de segurança dos carros nacionais não se perpetue”, destacou Ramalho.

Participantes

O parlamentar sugeriu que sejam convidados para o debate o diretor geral da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), Bernardo Figueiredo; o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores, Jackson Schneider; o diretor executivo da Fundação Procon de São Paulo, Roberto Augusto Castellanos Pfeiffer; o presidente do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro), João Alziro Herz da Jornada; o diretor do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), Alfredo Peres da Silva; a coordenadora institucional do Pro-Teste, Maria Inês Dolci; e um representante do Ministério Público.

Link para a matéria

COMMENTS