Sindicato das Empresas de Transportes de Cargas defende duplicação da BR-470 antes do pedágio

A entidade patronal defende o cumprimento do acordo feito pelo governo federal, prevendo a destinação de recursos do Plano de Aceleração Econômica (Pac) para o início das obras

Governo lança edital do projeto do porto de Marabá
Marco Maciel alerta para aumento da carga tributária e diz que o Brasil é o vice-campeão mundial em impostos
OHL espera cobrar pedágios nas federais até o fim do ano

O Sindicato das Empresas de Transportes de Cargas de Santa Catarina (Setcesc) é contrário ao projeto de cobrança de pedágio na BR-470 antes das obras de duplicação. A entidade patronal defende o cumprimento do acordo feito pelo governo federal, prevendo a destinação de recursos do Plano de Aceleração Econômica (Pac) para o início das obras.
“Não se pode pagar a obra de duplicação com dinheiro do pedágio”, alerta Osmar Ricardo Labes, presidente do Setcesc. A aplicação dos recursos oriundos do IPVA e da Cide – Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico – é outro caminho apontado pelo líder sindical. “As duas contribuições destinam o volume arrecadado para obras de infraestrutura. É só cumprir a legislação”, relembra o empresário.

O Setcesc vai se unir às outras entidades empresariais de Santa Catarina para fazer cumprir o acordado. “A senadora Ideli Salvatti tem um pensamento semelhante ao nosso. Pedágio só após a duplicação”, destaca Labes.

O Sindicato das Empresas de Transportes de Cargas de Santa Catarina é favorável a uma futura cobrança de pedágio, desde que seja socialmente justa. “Que não seja uma tarifa exorbitante”, recomenda.

O setor de transportes convive com uma alta carga tributária, além de enfrentar uma defasagem no preço do frete, da ordem de 8,43%, acumulada em 2008.

O Setcesc atua em 65 municípios catarinenses, incluindo o Médio e o Alto Vale do Itajaí, representando mais de duas mil transportadoras.

Link para a matéria

COMMENTS