Lucro de Scania e Volvo deve cair entre 60% e 80%

Shakalida está procurando evitar o fechamento de postos de trabalho em meio à queda dos preços no mercado de transporte de carga, que recuaram até 40%

Recuo nas vendas de caminhões preocupa setor
Projeto pode aumentar pena por mortes em acidentes de trânsito
Setor de Transportes terá R$ 10 bi em investimentos para Copa e Olimpíadas

Eugene Shakalida esperava em 2007 triplicar a frota de caminhões de sua companhia próxima a Moscou. Agora, no entanto, ele afirmou que não comprará nenhum este ano. Shakalida está procurando evitar o fechamento de postos de trabalho em meio à queda dos preços no mercado de transporte de carga, que recuaram até 40%. Sua empresa, a Trasko, há cerca de uma década possuía apenas poucos funcionários e caminhões. A companhia cresceu e hoje possui 320 empregados e 90 veículos.

A situação difícil na qual a Trasko encontra-se atualmente é reflexo da crise na indústria de caminhões pesados, abalada pela queda da demanda por produtos que vão desde autopeças até eletrodomésticos em regiões como o Leste Europeu, que funcionou como uma espécie de motor do boom observado no passado. As vendas européias de caminhões pesados podem cair até 40% este ano, afetando a Volvo, Scania e MAN, que juntas respondem por 54% daquele mercado.

“A atual retração da atividade industrial ao redor do mundo tem poucos precedentes”, defendeu Carl Holmquist, analista do Danske Bank em Copenhague.“Poucas companhias podem fazer alguma coisa para tentar proteger suas margens no curto prazo.”

Os ganhos das motadoras européias de caminhões devem despencar entre 60% e 80% este ano, prevê Arndt Ellinghorst, analista do Credit Suisse. A Volvo e Scania devem informar seus lucros esta semana, ao passo que a MAN divulgará seus resultados no dia 19.

A Scania deve informar uma queda de 24% para seus lucros líquidos, para 1,92 bilhão de coroas suecas (US$ 230 milhões). Esta seria o primeiro trimestre a registrar queda nos lucros em três anos. A sua maior concorrente sueca, a Volvo, deve informar queda nos lucros de 75%, para 1,01 bilhão de coroas suecas, maior queda em mais de oito anos.

COMMENTS