IBS recorre ao governo federal contra importação de aço pela Transpetro

Esta semana, diretores da entidade solicitou reunião com a ministra-chefe da Casa Civil da Presidência da República, Dilma Rousseff, da qual participariam ainda a Transpetro e representantes do setor, para discutir a questão

Petrobras vai importar menos diesel este ano
Uso de lâmpadas de xenônio poderá ser regulamentado
Governo estuda licitar rotas aéreas de menor interesse

O Instituto Brasileiro de Siderurgia (IBS) recorreu ao governo federal contra a decisão da Transpetro, subsidiária da Petrobras, de importar aço da China para o seu Programa de Modernização da Frota (Promef). Esta semana, diretores da entidade solicitou reunião com a ministra-chefe da Casa Civil da Presidência da República, Dilma Rousseff, da qual participariam ainda a Transpetro e representantes do setor, para discutir a questão.

O vice-presidente executivo do IBS, Marco Polo de Mello Lopes, disse à Agência Brasil que a importação de aço vai contra a prioridade dada pelo governo, no atual momento de crise mundial, que é de “tentar preservar aquilo que tem de mais precioso e diferencial em relação ao resto do mundo, que é o mercado interno”. O instituto, conforme afiançou, quer proteger o setor de importações predatórias.

Na opinião do IBS, a Transpetro estaria forçando “que uma empresa nacional atinja patamares, como ela está exigindo, de fornecimento em torno de US$ 600,00 (a tonelada de aço), que é um valor que não cobre nem custo variável. Ela [Transpetro] está fazendo um leilão, com impostos e recursos públicos, para, no fundo, manter emprego na China, em detrimento de empregos aqui”, disse.

O vice-presidente executivo do IBS revelou que 70% da siderurgia na China são estatais. “Quer dizer, você não tem compromisso com resultado, com remunerar acionistas. Você não tem compromisso com nada”, afirmou.

Lopes disse ainda que o fato de serem subsidiadas permite às empresas colocar preços de forma “aviltada” no mercado internacional. As exportações de aço da China para a América Latina aumentaram mais de 50% no acumulado janeiro a outubro do ano passado. A disposição de uma empresa pública como a Transpetro “de privilegiar essas exportações subsidiadas é inaceitável, sob a ótica brasileira”.

O vice-presidente executivo do IBS afirmou que problema similar teria ocorrido no ano passado, quando a Transpetro importou da Ucrânia. “Se arrependeram e voltaram depois a recorrer ao fornecimento nacional, porque isso tudo aí não é uma venda isolada. Você tem engenharia, tem serviço pós-venda, tem vinculações de cálculos estruturais. Você tem uma série de requisitos e exigências técnicas que, normalmente, não tem quando é feita uma cotação a nível de uma Ucrânia e uma China”, afirmou.

Link para a matéria

COMMENTS