Cadeia de suprimentos enfrenta desafios

"Com as turbulências nos mercados tivemos que fazer um ajuste com nossos fornecedores, as vezes fazíamos um pedido na segunda-feira e na sexta-feira da mesma semana ligávamos cancelando", afirma Vagner Galeote, diretor de compras da Ford América do Sul

Dados ruins ampliam pressão sobre montadoras
Infraero adquire 121 ônibus para equipar rede
Duplicação da RS-118 entre a BR-116 e a BR-290 será concluída em 2011

Com a intensificação da crise financeira global, enquanto uns achavam que seria uma “marola”, a indústria foi atingida em cheio. Um dos setores da economia que foi fortemente afetado foi o automotivo. Junto com ela, a cadeia de suprimentos passou a enfrentar uma série de desafios e adequações.

“Com as turbulências nos mercados tivemos que fazer um ajuste com nossos fornecedores, as vezes fazíamos um pedido na segunda-feira e na sexta-feira da mesma semana ligávamos cancelando”, afirma Vagner Galeote, diretor de compras da Ford América do Sul.

O problema é que, com o agravante da crise, as montadoras não tinham como pagar seus fornecedores e acabavam cancelando as encomendas, causando um efeito dominó na indústria. Atualmente, a Ford trabalha com 362 fornecedores no Brasil.

“Vemos que a crise acirra a competição mundial, por isso devemos investir em novos produtos e trabalhar com inovação, produzindo carros bons e que atendam aos anseios da sociedade. Como por exemplo, trabalhar com a reformulação de um carro que se encaixe nas atuais necessidades do cliente”, avalia Galeote.

Para driblar a crise, a Ford optou por reduzir e evitar custos desnecessários. “A situação nos força a trabalhar com mais ponderação e a pensar em maneiras inovadoras para chegar no resultado final com sucesso”, acredita o diretor de compras da empresa.

Sem informar cifras, Vagner Galeote afirmou que os investimentos para este ano em produtos foram mantidos mesmo com a crise financeira global. Isso porque com novos modelos ou pelo menos algumas alterações no veículo, o produto se torna mais atrativo e competitivo no mercado. “Podemos cortar tudo, menos os recursos destinados a este segmento. Em outras épocas difíceis já vimos que não se sai de uma crise sem investir em novos produtos e tecnologias”, enfatiza.

Falando em cortes, Galeote ressalta que a empresa prefere recorrer primeiro às leis trabalhistas, como férias coletivas, licenças ou redução de jornada de trabalho e, em último caso, a demissão. “Agimos desta forma porque sabemos que este trabalhador que está desempregado também vai afetar nossa cadeia de vendas. Portanto nosso grande desafio é ajustar a produção a demanda e ajustar a mão-de-obra sem gerar desemprego”, complementa.

Porém, com a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), a indústria começa a apresentar sinais de recuperação. Em janeiro, as vendas de veículos cresceram 1,5%, somando 197,5 mil unidades comercializadas, conforme dados da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

“Em função desta reação do mercado, vejo que o governo brasileiro vai estender a medida por mais um tempo, até que os dados firmem tendência. Acho que isso ajudaria ainda mais o setor, uma vez que nosso programa é baseado na demanda do mercado”, diz diretor de compras da Ford América do Sul.

Outro ponto que ajuda o setor é o preço dos insumos, que recuam fortemente no mercado internacional. Com a queda nos preços, o valor final do produto cai também, tornando a compra mais atrativa. “Com isso ajustamos nossa estrutura de custo e vamos atrás da implementação destas reduções no mercado brasileiro”, finaliza.

COMMENTS