UE adota plano para melhorar transporte marítimo europeu

O plano é pensado para ser implementado até 2018 e, segundo Bruxelas, tem como principais objetivos reforçar a competitividade, crescimento durável e emprego no setor marítimo europeu

80 mil caminhões multados, mas nenhum real arrecadado
Contran publica prazos para instalação obrigatória de equipamentos antifurto em veículos
Coreia garante trem-bala para Copa de 2014

A Comissão Européia (braço executivo do bloco europeu) apresentou nesta quarta-feira um plano estratégico para melhorar o transporte marítimo na União Européia, tornando-o mais eficiente, seguro e ecológico.

O plano é pensado para ser implementado até 2018 e, segundo Bruxelas, tem como principais objetivos reforçar a competitividade, crescimento durável e emprego no setor marítimo europeu, além do fortalecimento da luta contra a pirataria e reduzir os impactos ambientais de incidentes marítimos.

O executivo comunitário adotou também uma série de ações que visam a criação de um espaço de transporte marítimo sem barreiras na Europa.

O plano contempla diversas medidas legislativas, entre as quais uma proposta destinada a simplificar as formalidades administrativas e recomendações aos membros para reduzirem as cargas administrativas impostas às empresas de transporte marítimo.

De acordo com a Comissão, a UE tem de adaptar a política marítima de transporte aos novos desafios, até porque é de esperar, ao longo dos próximos dez anos, um “forte aumento” do comércio pelo mar, tanto internacional como intra-comunitário, o que implica um crescimento considerável das operações desse tipo de transporte em todas as fronteiras marítimas do bloco europeu, caso de Portugal.

Atualmente, o transporte marítimo já assegura mais de 80% das trocas comerciais no mundo, desempenhando assim um papel essencial para a União Européia, principal exportador e segundo importador.

Além disso, apontou o executivo europeu, “com mais de 400 milhões de passageiros a transitarem anualmente pelos portos europeus, o transporte marítimo tem também uma incidência dircta sobre a qualidade de vida dos europeus, tanto dos turistas como dos habitantes das regiões insulares e periféricas”, como Açores e Madeira, em Portugal.

Link para a notícia

COMMENTS