Rodovias 324 e 116 terão pedágio ainda este ano

Na proposta vencedora, o grupo se dispôs a cobrar um pedágio de R$2,21, a cada 100 quilômetros, o que representa um deságio de 21% em relação ao teto de R$2,80, que foi estabelecido pelo governo federal

Inflação é mais baixa pra quem tem carro
Exportações de produtos industrializados de Mato Grosso do Sul dobram em maio
Appa sugere medidas para incentivar operações de cabotagem no Paraná

Os 680 quilômetros das duas rodovias federais de maior tráfego no estado ganharão sete praças de pedágio ainda este ano. O Consórcio RodoBahia, formado pelo grupo espanhol Isolux Corsan e pelas brasileiras Engevix e Encalso, venceu o leilão de concessão dos trechos das BRs 324 e 116, que aconteceu na quarta-feira (21) na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa).

Na proposta vencedora, o grupo se dispôs a cobrar um pedágio de R$2,21, a cada 100 quilômetros, o que representa um deságio de 21% em relação ao teto de R$2,80, que foi estabelecido pelo governo federal.

Em contrapartida, realizará investimentos de mais de R$2 bilhões ao longo dos 25 anos de exploração das vias. Dois grupos participaram do leilão. Para vencer, teriam que indicar o menor valor de pedágio.

A Companhia Brasileira de Rodovias – consórcio liderado pela construtora paulista Heleno e Fonseca e que contou com a participação da canadense CRA Engenharia e pela brasileira a LBR Engenharia – havia apresentado proposta de R$2,517 para cada 100 quilômetros, e foi derrotada.

A concessão envolve 554,1 quilômetros da BR-116, no trecho entre Feira de Santana e a divisa com Minas Gerais, e de 113,2 quilômetros da BR-324, entre Salvador e Feira.

Também foram incluídos no lote 9,3 quilômetros da BA-526 e quatro quilômetros da BA-528, estradas estaduais que proporcionam o acesso para o CIA Sul, Base Naval e Porto de Aratu.

Em contrapartida à exploração das rodovias, o consórcio vencedor terá que realizar obras de recuperação, manutenção, infraestrutura e construção de novas faixas, além de implantaçãodesinalização, telefones de emergência, passarelas, guinchos e serviço médico de emergência.

OBRAS

O secretário estadual de Infraestrutura, Antônio Batista Neves, comemorou o resultado do leilão. “A população vai ser beneficiada com uma estrada de qualidade, que também vai alavancar o desenvolvimento do estado”, disse.

Neves lembrou que as duas BRs são os principais corredores logísticos do estado, de grande potencial econômico. O secretário destacou que logo após a assinatura do contrato, em maio, já estão previstas intervenções imediatas pela nova concessionária.

Segundo ele, a Isolux deverá investir cerca de R$100 milhões em obras emergenciais na BR-324, para recuperação da rodovia. “Estas obras deverão durar cerca de 90 dias”, estimou. Batista Neves informou que a estrada será totalmente readequada, inclusive com a implantação de acostamento nos trechos onde hoje não existe.

O projeto de concessão das rodovias cita que os benefícios aos usuários podem ser estimados através de reduções nos custos operacionais dos veículos e do tempo que decorrem de um deslocamento mais suave e de melhores níveis de serviço (fluxo mais livreemfunção de um aumento na capacidade e da eliminação de atritos).

Os custos operacionais também incluem dispêndioscomcombustível, lubrificantes, pneus, manutenção, depreciação e os juros embutidos na propriedade dos veículos.

QUEIXAS

O presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas do EstadodaBahia, AntônioSiqueira, disse que não é contra o pedágio, mas lembrou que o papel de garantir estradas em bom estado de conservação é do governo.

“A população já paga um imposto (Cide), que é incluído nos combustíveis, para ter estradas em bom estado. Mesmo assim, também terá de pagar pedágio para ter rodovias conservadas”, criticou .

De acordo com Siqueira, o custo com o pagamento de pedágio, pelas transportadoras, será repassado naturalmente para o valor do frete. “Isto certamente vai refletir nos preços dos produtos aos consumidores”, alertou.

RETORNO

O RodoBahia trabalha com a expectativa de obter uma taxa interna de retorno (TIR) de 8%. “Definimos o deságio a partir dos estudos de tráfego e de uma análise dos investimentos previstos. Estamos bastante empolgados e contentes com o resultado”, afirmou o diretor no Brasil da espanhola Isolux, Francisco Corrales.

Ele afirmou que pretende contar com recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para o financiamento de longo prazo. “Esperamos chegar ao máximo que o banco oferece, que é o financiamento de70% do valor do investimento”, explicou.

Esta é a primeira concessão em rodovias arrematada pela Isolux no mercado brasileiro. No país, a companhia detém 15 concessões no segmento de transmissão de energia elétrica, sendo que entre os principais projetos estão dois trechos da Linha Tucuruí – Manaus – Macapá, que ligará a Região Norte ao resto do país.

“Mas já operamos dois mil quilômetros de rodoviasnoMéxico, na Índia e na Espanha”, afirmou Corrales. O diretor geral da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), Bernardo Figueiredo, afirmou que o deságio apresentado pelo Rodobahia foi mais agressivo do que o esperado, superando as expectativas.

“Imaginávamos que o deságio fosse bem menor justamente em razão do cenário de crise”, afirmou. Segundo ele, a ANTT imaginava que o deságio chegaria a 15% no máximo.

Figueiredo ainda afirmou que a mudança de modelagem inibiu a participação de empresas que já operam nesse mercado. Já o ministro interino dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, disse que o resultado do leilão foi avaliado pelo governo federal como positivo.

Ferrovia e BR-101 também vão a leilão

O governo pretende fazer em novembro o leilão de concessão da BR 101 na Bahia. Também no segundo semestre, deve acontecer o pregão para a escolha da empresa que vai explorar a Ferrovia Oeste- Leste, ligando o cerrado baiano até o Porto de Ilhéus.

“A construção continuará com recursos públicos porque ferrovias envolvemum volume de recursos muito grande e a gente vai esperar, ao longo deste ano, o melhor momento, do ponto de vista da conjunção financeira, para fazer o leilão de subconcessão de ferrovias. Não é um leilão pequeno”, disse o secretário adjunto de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda, Antonio Henrique Silveira.

Já o ministro interino dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, disse que o governo federal concederá mais 3,6 mil quilômetros de rodovias à iniciativa privada até novembro.

Trata-se da primeira e segunda fases da terceira etapa do programa federal de concessões de rodovias. Os primeiros três lotes irão a leilão em junho e somam pouco mais de dois mil quilômetros de estradas. Já a segunda fase, com os outros lotes, deve acontecer em novembro.

Link para a matéria

COMMENTS