Montadoras instaladas no Rio dão férias coletivas para não demitir empregados

As montadoras de automóveis instaladas no estado do Rio de Janeiro têm optado pelas férias coletivas para não demitir funcionários

Pague Menos ganha musculatura para abrir capital
47% das exportações do PR se concentram em cinco itens
Investimentos de R$ 5 bi

O cenário de retração de demanda, provocado pela crise financeira internacional, que diminuiu o crédito nos mais variados  setores, tem afetado de forma significativa o setor automobilístico. Diante disso, as montadoras de automóveis instaladas no estado do Rio de Janeiro têm optado pelas férias coletivas para não demitir funcionários.

A Volkswagen Caminhões e Ônibus Ltda informou que, até o momento, não houve demissões. Os funcionários ligados à produção, que estavam de férias desde o dia 17 de dezembro, retornaram ao trabalho segunda-feira (12). Os da área administrativa já haviam voltado no dia 5 deste mês. “Por enquanto, esse é o status da empresa”, afirmou a assessoria de imprensa da fábrica, que se localiza em Resende e tem cerca de 5 mil empregados.

Na Peugeot-Citroën, instalada no município de Porto Real, o nível dos estoques está acima do normal. Diante disso, a montadora optou por antecipar as férias coletivas de 2009 para manter seu efetivo. O período de férias será de 26 de janeiro a 24 de fevereiro. A empresa já havia concedido férias coletivas entre 8 de dezembro e 5 de janeiro.

A assessoria de imprensa da Peugeot-Citroën do Brasil informou que, embora o mercado de veículos tenha tido resultado positivo no acumulado do ano passado, a companhia enfrentou no Brasil queda de 25% nas vendas, em novembro, e de 20% em dezembro, em comparação com os mesmos meses de 2007.

De acordo com a assessoria, a empresa considera que as medidas de apoio ao setor automotivo, como a redução temporária do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), poderão vir a amenizar o cenário desfavorável. A montadora ressaltou, no entanto, que mesmo com as medidas o mercado doméstico permanece com desempenho inferior às expectativas. A Peugeot-Citroën tem atualmente 4 mil empregados. (Alana Gandra-Repórter da Agência Brasil)

Link para a matéria

COMMENTS