Locação de armazéns ainda cresce no Sul

Os rendimentos com a locação de áreas nos condomínio somaram ano passado R$ 35 milhões, aumento nominal de 30% sobre o ano imediatamente anterior

MAN conclui compra da Volks Caminhões e quer produzir no País
Mercosul não chega a consenso sobre o fim da dupla tributação
Novo acordo para evitar demissões

A Capital Realty, de Curitiba, especializada na locação de áreas para infraestrutura logística, definiu para o biênio 2009-2010 investimentos de R$ 20 milhões para a construção de 17 mil de armazéns no Mega Imtermodal, condomínio logístico situado na cidade de Esteio, região metropolitana de Porto Alegre. O local possui atualmente 30 mil de área construída – esta área já inclui um prédio de 6 mil recentemente inaugurado.

“Há uma carência enorme por áreas com infra-estrutura adequada”, disse à Gazeta Mercantil, o diretor da empresa, Rodrigo Demeterco, ao justificar o investimento em meio às turbulências do mercado internacional. A crise, pelo que ele dá a entender, não irá interromper o planejamento: a Capital Realty está próxima de bater o martelo para construir novas estruturas para atender operadores logísticos nos três estados da Região Sul e em São Paulo.

“Nosso molde de investimento evidencia a relação custo benefício; e também desmistifica as vantagens de se ter sede própria, ou seja, deixa o empresário livre para investir na sua atividade principal”, diz o executivo. Desde 2000, os investimentos consolidados em condomínios logísticos somam R$ 35 milhões.

Os rendimentos com a locação de áreas nos condomínio somaram ano passado R$ 35 milhões, aumento nominal de 30% sobre o ano imediatamente anterior. A meta fixada para 2009 é crescimento entre 20% e 25%. Demeterco adianta que um armazém com 7 mil mde área – dos 17 mil previstos para 2009-2010 – será finalizado no decorrer deste ano, “para atender necessidades de um grande cliente”, diz, sem poder revelar o nome, por questão estratégica.

Desde 1999 foram criadas estruturas em Esteio (RS), Itajaí (SC), Colombo (PR), Cubatão e Araraquara (ambos em São Paulo). “Estamos na fase de avaliação e de prospecção de áreas na costa portuária da Região Sul e São Paulo, também chamadas de retro-áreas para montar armazéns e pátios para acomodação de contêiner”, comenta o executivo, ressaltando, no entanto, que a sua empresa não pretende atuar como operadora marítima ou de logística.

Modelo americano

O condomínio de Esteio está situado em um terreno de 150 mil . Os dois principais clientes são a Standard Logística e o Carrefour. O primeiro trabalha basicamente com cargas frigorificadas. O segundo opera com um Centro de Distribuição (CD) para atender a rede de supermercados no Rio Grande do Sul. A estrutura conta com posto de gasolina (bandeira BR), balança rodoviária, vestiários, loja de conveniência, restaurante e apoio para transportadoras, bem como dispositivos de segurança 24 horas por dia.

“Escolhemos Esteio por causa da proximidade com o pólo industrial de Porto Alegre e Canoas e a posição em relação à malha ferroviária. Nós puxamos um ramal e com isso temos uma freqüência diária para o porto de Rio Grande (no extremo sul do Estado)”, explica o executivo da Capital Realty. Quem opera o terminal ferroviário é a Standard Logística. “A partir deste ano inicia o ramal ferroviário em Cubatão”, informa.

A Capital Realty tem entre seus controladores um grupo de investidores e empreendedores com experiência no setor imobiliário de Curitiba. Conforme Rodrigo Demeterco, a empresa importou os moldes americanos e europeus de terceirização imobiliária, e implantou primeiramente no Paraná. “Uma parte do investimento foi bancada com recursos próprios e outra parte com aval do BNDES”, faz questão de ressaltar o executivo.

Link para a matéria

COMMENTS