Investimentos no semi-árido nordestino demandam reforço em infra-estrutura de transporte

“A primeira medida é infra-estrutura já, de forma imediata e urgente. Estamos há mais de 2 mil quilômetros de São Paulo. Sem estrutura, é impensável atrair empresas”, ressaltou o presidente da Federação das Indústrias da Bahia, Vítor Ventin

MPF recomenda que Infraero suspenda licitação para nova pista no aeroporto de Campinas
Governo quer reduzir tempo de navios em portos brasileiros
Tarifas de pedágio em rodovia federal no Rio não serão cobradas de moradores

Em sua viagem a estados do Nordeste para debater um novo plano de desenvolvimento regional, o ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos , Roberto Mangabeira Unger, ouviu relatos que apontam a carência de infra-estrutura energética, de transporte e logística como os principais gargalos que dificultam  o progresso econômico e social.

“A primeira medida é infra-estrutura já, de forma imediata e urgente. Estamos há mais de 2 mil quilômetros de São Paulo. Sem estrutura, é impensável atrair empresas”, ressaltou  o presidente da Federação das Indústrias da Bahia, Vítor Ventin, em uma reunião de autoridades, empresários e lideranças da sociedade civil de Salvador com Unger . Segundo Ventin, a Bahia precisa de um novo porto e da chamada Ferrovia Leste-Oeste, cujas obras estão em estágio de estudo de impacto ambiental.

O ministro lembrou que dentro do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) há grandes projetos energéticos e logísticos para o Nordeste.  “Há um consenso sobre a necessidade de renovar e ampliar a matriz energética do Nordeste. Sempre que possível aproveitar as energias renováveis, a hidroeletricidade, a eólica e a gerada através da biomassa”, assinalou. Para ele, o Brasil também  deve estar aberto a projetos de geração de energia nuclear.

No campo logístico, Mangabeira Unger defende o aprofundamento do paradigma multimodal,  ancorado por projetos ferroviários que interliguem o Nordeste às demais regiões. “O efeito transformador dessas obras pode ser potencializado por um grande projeto estruturante”, disse Unger.

O plano de desenvolvimento que o ministro pretende consolidar no Nordeste ainda será desdobrado em propostas concretas por um grupo executivo composto por representantes de diversos ministérios e órgãos federais .Nas visitas aos estados, eles colhem sugestões e buscam conhecer projetos bem-sucedidos, que aliam as perspectivas econômicas  e transformações sociais.

Link para a matéria

COMMENTS