Governador anuncia dragagem emergencial no Canal da Galheta

A empresa começa os serviços no fim do mês e terá prazo de 100 dias para dragar 3,7 milhões de metros cúbicos de sedimento

ANTAQ defende hidrovias e intermodalidade em reunião com comitiva do Corredor Centro-Norte
Logística e matéria-prima de Maracaju atraem indústrias
Índice de atrasos na aviação regularcaiu para 10,5% em setembro

O governador Roberto Requião assinou, nesta terça-feira (20), durante a Escola de Governo, a autorização para contratação da empresa que irá realizar a dragagem emergencial no Canal da Galheta, que dá acesso aos Portos Paranaguá e Antonina. A Somar – Serviços de Operações Marítimas – foi a vencedora da consulta de preço promovida pela Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa), conforme modelo adotado pela Secretaria Especial de Portos . A empresa começa os serviços no fim do mês e terá prazo de 100 dias para dragar 3,7 milhões de metros cúbicos de sedimentos.

“A dragagem tornou-se urgente. Os últimos fenômenos climáticos provocaram assoreamento e o Canal da Galheta perdeu cerca de 23 metros de largura. O Porto de Paranaguá é emergência absoluta, porque está operando e absorvendo a demanda do Porto de Itajaí”, explicou o governador. “Vamos fazer a dragagem emergencial e, a partir de fevereiro, o Governo Federal assume a dragagem que vai aprofundar o canal para 16 metros”, completou.

O superintendente da Appa, Daniel Lúcio Oliveira de Souza, apresentou o histórico da dragagem nos Portos do Paraná, desde 1998 até os dias atuais, apontando as inconformidades que ocorreram nos contratos anteriores. Souza mostrou como o avanço do banco de areia prejudicou o acesso aos portos. “Nos últimos 121 dias, o banco de areia avançou 54 metros sobre o Canal da Galheta, equivalente ao avanço registrado nos últimos três anos”, disse.

CONSULTA

Participaram da consulta da Appa 11 empresas e cinco apresentaram propostas para realizar a dragagem. A escolha da Somar obedeceu critérios técnicos de engenharia e o menor preço proposto, que permitiram ao Porto contar com valores adequados e com equipamentos compatíveis com as características do canal.

A consulta de preços foi publicada no Diário Oficial do Estado em 6 de janeiro e as propostas foram entregues à Appa até 13 de janeiro, quando encerrou-se o prazo de recebimento.

A Somar vai realizar a dragagem a R$ 7,99/m³ e disponibilizar uma draga com cisterna com capacidade de 13,5 mil m³. A empresa, segundo os técnicos do Porto, foi a que apresentou menor preço, menor prazo para mobilização do equipamento, melhor produtividade e melhor condição técnica.

“Este preço inclui a mobilização e desmobilização da draga e só foi possível porque é uma máquina de grande porte, que passou a ficar disponível ao mercado em virtude da redução das atividades em Dubai, onde ela era usada na criação de ilhas artificiais”, disse o diretor da Somar, José Eduardo de Campos Figueiredo.

A draga “HAM 310” chega ao Porto de Paranaguá na próxima sexta-feira (23) e começará a operar assim que todo o trâmite junto aos órgãos de fiscalização for encerrado. Com a conclusão da dragagem, o Canal da Galheta retorna ao seu projeto original que é de 15 metros.

EMERGÊNCIA

A dragagem emergencial do Canal da Galheta será seguida por outras ações no mesmo sentido de restabelecer as profundidades técnicas de projetos, tanto do Porto de Paranaguá como o Porto de Antonina. Como já está previsto no Plano Nacional de Dragagem (PND), serão realizadas na seqüência as dragagens de manutenção (a ser realizada pela Appa) e a de aprofundamento (que será feita pela Secretaria Especial de Portos). No próximo dia 30, a SEP realiza em Paranaguá uma audiência pública para colher críticas e sugestões referentes às obras que serão licitadas para a dragagem em Paranaguá.

Governador determina a compra de draga

O governador Roberto Requião determinou, durante a Escola de Governo desta terça-feira (20), que a Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa) providencie o início do processo de compra de uma draga para atender os portos paranaenses.

“Paralelamente à dragagem emergencial, vamos dar início à compra de uma draga. Hoje o porto é capitalizado e tem facilidade para a aquisição deste equipamento”, afirmou.

Segundo Requião, o custo da contratação emergencial de uma draga equivale à aquisição de equipamento próprio. “Existem no mercado dragas com capacidade de 5 mil metros cúbicos de cisterna e que podem ser adquiridas por algo em torno de R$ 30 milhões”, constatou.

Link para a matéria

COMMENTS