Exportação de milho cresce 76% com encomendas da Malásia

De acordo com dados preliminares da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), foram embarcadas 1,36 milhão de toneladas do grão no período - volume 76% superior ao registrado em novembro

Aéreas apostam em ações para acelerar a venda de passagens
Têxteis ganham espaço para setor de logística
ANTAQ e CODESP debatem arrendamento do terminal de grãos do Porto de Santos

Em dezembro, as exportações brasileiras de milho ultrapassaram, e muito, a média mensal de 2008 de pouco mais de 500 mil toneladas. De acordo com dados preliminares da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), foram embarcadas 1,36 milhão de toneladas do grão no período – volume 76% superior ao registrado em novembro.

A quantidade de milho que ganhou o mercado externo no último mês de 2008 foi maior até mesmo que as 901 mil toneladas de dezembro de 2007, ano em que o País contabilizou o maior volume de vendas externas, quase 11 milhões de toneladas. O levantamento da Secex mostra que o setor acumulou ao longo do último ano 6,4 milhões de toneladas embarcadas, a maior parte delas foram negociadas em dezembro.

Essa retomada do cereal brasileiro no cenário internacional começou ainda em novembro, quando os embarques já registravam crescimento de 94% em relação ao mês anterior, e pode ser justificada em parte pelo baixo preço do produto nacional, que foi negociado em dezembro a uma média de US$ 181,07 a tonelada. Em novembro o preço médio pago pelos compradores internacionais foi de US$ 202,01, em outubro a tonelada do grão foi negociada por US$ 237,40. A média anual ficou em US$ 183,71.

A receita com as vendas do grão no mercado externo em todo o ano de 2008 ficou em US$ 1,18 bilhão, 38% inferior aos US$ 1,91 bilhão que entrou no País no ano anterior – em dezembro de 2008 foram 248 milhões de dólares.

Segundo Eduardo Sarmento, analista da Safras & Mercado, a derrocada nos preços do grão atraiu compradores como a Malásia, que em novembro importou 130 mil toneladas de milho do Brasil. “Em outubro e setembro, eles não compraram nenhuma tonelada, voltaram a cena em novembro e devem ter comprado cerca de 300 mil toneladas em dezembro”, estima Sarmento. O Irã, nosso maior importador, aumentou de forma expessiva o volume de compras de novembro, crescimento que segundo projeções do analista foi ainda maior no último mês de 2008. O Secex não divulgou a lista dos principais compradores de dezembro.Rodrigo Nunes, da AgRural, aponta ainda outros fatores responsáveis pelo crescimento das exportações do grão brasileiro. Segundo ele, a combinação “dólar valorizado e demanda internada paralisada” impulsionaram as vendas externas. Para Nunes, além do elevado estoque de passagem – estimado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) em quase 13 milhões de toneladas -, a intensificação dos leilões de Prêmios de Escoamento de Produto (PEP) realizados pelo governo também contribuiu com o aumento dos embarques. “Os traders que arremataram o prêmio oferecido tiveram que comprovar o escoamento do produto”, explica o analista. E a Conab já agendou novo leilão de 273 mil toneladas do grão para esta semana.

Segundo levantamento de Safras & Mercado, o Mato Grosso lidera as exportações de milho em 2008. Até novembro um total de 2,02 milhões de toneladas saíram. O Paraná aparece em segundo lugar, com embarque de 1,63 milhão de toneladas.

COMMENTS