Construção de pedágio provoca 16 km de congestionamento na Fernão Dias

Por causa das obras, houve o afunilamento para uma única pista na altura do km 904, em Cambuí, no sul de Minas, o que resultou numa grande fila no sentido Belo Horizonte-São Paulo. A reportagem do Estado levou aproximadamente 1h40 para percorrer o trecho entre o km 888 e o km 904

Galeão, em obras, se prepara para receber passageiros na alta estação
Palocci diz na CNI que objetivo da reforma tributária é simplificar tributos
Queda nas exportações diminuirá produção de carros este ano, diz Anfavea

A construção de uma praça de pedágio da concessionária espanhola OHL/Autopista Fernão Dias provocou congestionamentos de até 16 quilômetros, na tarde de ontem, na Rodovia Fernão Dias (BR-381). Por causa das obras, houve o afunilamento para uma única pista na altura do km 904, em Cambuí, no sul de Minas, o que resultou numa grande fila no sentido Belo Horizonte-São Paulo. A reportagem do Estado levou aproximadamente 1h40 para percorrer o trecho entre o km 888 e o km 904.

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) de Minas diz que informou a concessionária no início da tarde sobre o aumento no fluxo de veículos e a “retenção” em Cambuí. A OHL passou então a bloquear completamente a estrada no sentido Minas, para aliviar o trânsito para São Paulo. Os motoristas que seguiam naquele sentido passaram a enfrentar lentidão de 2 km. A construção de uma outra praça de pedágio, em São Gonçalo do Sapucaí (MG), também provocou congestionamentos no sentido São Paulo, de 4 km.

As obras de construção das praças estavam previstas para serem entregues em agosto – e ainda não têm previsão de término. De acordo com a assessoria da OHL, o atraso foi de responsabilidade do governo federal, que demorou para emitir as licenças ambientais e atrasou as desapropriações. A concessionária afirma que montou uma operação para o réveillon, com recursos operacionais e reforço de guinchos, para tentar evitar congestionamentos.

No trecho paulista da rodovia, a maior lentidão estava na altura do km 65, em Mairiporã. Segundo a PRF, o motivo foi o excesso de veículos e a redução da velocidade dos motoristas para passar por uma lombada eletrônica. A ocorrência mais grave foi um acidente envolvendo quatro veículos perto de Bragança Paulista, que deixou duas pessoas feridas. A pista foi logo liberada, sem grandes reflexos no trânsito.

Na Régis Bittencourt (BR-116), os principais pontos de lentidão foram no trecho de serra da via – aproximadamente 30 km – no sentido São Paulo. Segundo a PRF, o trânsito também ficou complicado na chegada à capital paulista, em Itapecerica da Serra. Não houve registro de acidentes graves.

COMMENTS