Com lição de casa feita, TA projeta 2009 no azul

Luchiari tem explicação convincente para justificar desvios de rotas que levam especialmente transportadoras ao vermelho

PRF registra em julho menor número de mortes em quatro anos
Aeroportos são palco de campanha contra a prática do cartel
VarigLog fatura R$ 30 milhões em setembro

A crise que começou nos EUA e gradativamente contaminou o mundo não tira o sono de Celso Luchiari, diretor administrativo e financeiro da Transportadora Americana (TA), na lista das maiores do País. “Desde 2007 estamos fazendo nossa lição de casa para corrigir besteiras que fizemos em algum momento e que provocaram margens insatisfatórias de lucro”, diz.

Criada em 1941, há 68 anos, a TA precisou corrigir os erros que determinaram o jejum de lucros. Em 2006 e 2007 teve margem zero ou negativa. “Em 2008 voltamos ao azul, mas ainda fraco, com 2% na última linha. E, para 2008, quando só se fala em caos, projetamos 4% de lucro líquido no mínimo.”

Luchiari tem explicação convincente para justificar desvios de rotas que levam especialmente transportadoras ao vermelho. “Em ambiente de expanção da economia, como foi o caso de 2007 e 2008, as cargas aumentam, e os custos também, Há mais trânsito, maior restrição ao tráfego de caminhões, os investimentos em ativos aumentam e o cliente nem sempre dá contrapartida em reajustes. Acaba que se transporta mais, porem nem sempre com margens satisfatórias.”

Luchiari admite que, em 2007, quando começou o saneamento e a busca por produtividade na TA, a crise nem passava por sua cabeça. “Mas, durante 32 anos que estou no negócio vivi muitas crises. A mais profunda foi em 1990, durante o Plano Collor, quando houve confisco”, diz para emendar. “As adversidades nos deram uma lição que seguimos: se não estiver devendo, a crise passa e você sobrevive”.

A TA entrou o ano de caixa cheio: “Gostamos de banco, mas para aplicar dinheiro, não para tomar”. Por conta do saneamento – que também envolveu refugar clientes que não traziam resultado – a TA atravessou 2007 com mesma receita de 2006 (R$ 150 milhões). “Em 2008 fomos para R$ 180 milhões, em 2009 iremos para R$ 200 milhões, com detalhe – tendo lucro”, enfatiza Celso Luchiari.

Link para a matéria

COMMENTS