BNDES e Anfavea vão discutir saídas para a crise no setor automobilístico

Coutinho prometeu divulgar novidades em relação ao setor automobilístico já na próxima semana

Contran divulga nos próximos dias nova regra sobre comunicação de venda de veículo
Primeiro óleo do pré-sal jorrou no Parque das Baleias, no Espírito Santo
Petrobras e Inmetro apresentam veículos que terão etiqueta de conservação de energia

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, vai se reunir hoje (30), com diretores da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos (Anfavea) para discutir o que o BNDES pode fazer para manter e sustentar investimentos  para o setor automotivo. Coutinho prometeu divulgar novidades em relação ao setor automobilístico já na próxima semana.

Ao comentar os efeitos da crise financeira internacional sobre o Brasil, Coutinho, tomando como exemplo a cadeia automotiva, disse que a perspectiva é que “em algum momento o processo de ajuste se faz e o setor estabiliza o seu nível de operação. E, aí, volta a crescer porque nós acreditamos que o crédito ao consumo voltará a se expandir moderadamente no Brasil, porque a estrutura bancária brasileira, felizmente, não está contaminada pela crise financeira internacional”.

O presidente do BNDES insistiu que a única coisa da qual não se pode recorrer em termos de efeitos negativos sobre a economia brasileira é a que diz respeito à retração dos mercados desenvolvidos. Sublinhou, contudo, que “não há nenhuma razão para que todos os outros componentes da demanda efetiva no Brasil sofram impactos desnecessários, resultantes de uma contração de crédito endógino”.

Coutinho avaliou que o sistema financeiro privado do país tem condições de se restabelecer. Segundo ele, nesse cenário, a economia brasileira pode ultrapassar de forma positiva o período difícil para a economia mundial. “Não há razão lógica para a economia brasileira comer o pão que o diabo amassou, porque a economia tem energia e capacidade para ultrapassar esse período”, afirmou.

Link para a matéria

COMMENTS