Ações da Vale têm alta 3,65%

As ações preferenciais da mineradora, as mais negociadas, fecharam com alta de 3,65% ontem, para R$ 27,93, na Bolsa de Valores de São Paulo

Inspeção técnica obrigatória em veículos deve começar no segundo semestre de 2010
Pará terá cinco novos terminais hidroviários
Marcopolo faz consulta para diminuir jornada de trabalho

As ações da Companhia Valedo Rio Doce (Vale), a maior produtora mundial de minério de ferro, subiram para sua maior cotação das últimas duas semanas com especulações de que a demanda por parte da China sustentará os preços das matériasprimas para a produção de aço.

As ações preferenciais da mineradora, as mais negociadas, fecharam com alta de 3,65% ontem, para R$ 27,93, na Bolsa de Valores de São Paulo (BM&FBovespa).

As ações ordinárias subiram 4,18%, para R$ 32,11, e puxaram a alta da Bovespa. As siderúrgicas também subiram com a divulgação de lucros, superiores aos previstos, por parte da U.S. Steel Corp. e da Nucor Corp. O Índice Baltic Dry (BDI), um indicador dos custos do transporte marítimo de commodities, ultrapassou ontem 1.000 pontos pela primeira vez em três meses, aquecido pela demanda por contratos de transporte de minério de ferro para a China, o maior consumidor dessa matéria-prima da siderurgia. Os estoques do minério acumulados nos portos da China somam cerca de 60 milhões de toneladas, volume inferior ao necessário para cobrir 30 dias de demanda, informou a publicação “Australian Mining Monthly”, atribuindo a informação a Sam Walsh, executivo do Rio Tinto.

“Fala-se de recuperação dos preços, principalmente em mercados que armazenam reservas, e temos alguns sinais que apontam para a melhoria dos preços”, disse Pedro Galdi, analista da SLW Corretora. “A China acumulou estoques no ano passado, talvez tendo em vista as negociações de preços dos  ontratos anuais de fornecimento. Agora os estoques estão sendo reduzidos e a China voltará às compras.”

Os estoques de minério de ferro da China caíram 22% em relação a seu volume recorde computado em setembro, com o enfraquecimento da demanda. “A China e o Oriente Médio assistiram ao maior número de aumentos de preços na semana”, escreveu Michelle Applebaum, diretora de uma empresa de pesquisa de ações de siderúrgica, em nota enviada a investidores. “Em vista do tamanho da China — virtualmente metade do mercado mundial — pode haver alguma esperança de que a China possa nos tirar da pior depressão do mercado siderúrgico do último período de cem anos.”

COMMENTS