Obras avançam na rodovia entre Tibagi e Telêmaco

As informações são do Departamento de Estradas de Rodagem (DER), que investe cerca de R$ 15,5 milhões nas obras

Resposta do Instituto Ethos à Petrobras: Ethos lamenta decisão da Petrobras
MRV espera pelo menos repetir desempenho de 2008
Falhas de pilotos e controladores de vôo resultaram em acidente da Gol

Metade dos trabalhos de recuperação e construção de terceiras-faixas na rodovia que liga os municípios de Tibagi e Telêmaco Borba (PR-340), na região dos Campos Gerais, já foi finalizado. As informações são do Departamento de Estradas de Rodagem (DER), que investe cerca de R$ 15,5 milhões nas obras. Segundo o secretário para Assuntos Rodoviários, Rogério W. Tizzot, o trecho de 34,6 quilômetros faz parte de uma das rotas das Estradas da Liberdade – alternativas às vias pedagiadas.

Para atender à vazão de tráfego prevista com a atração das cargas que atualmente utilizam as vias administradas pela concessionária, além da restauração total do pavimento da rodovia, está em andamento a construção de 8,3 quilômetros de terceiras-faixas.

“Não é apenas mais volume de veículos, mas a via deve receber também cargas, veículos mais pesados. São ampliações que estão sendo realizadas em trechos específicos para garantir viagens ainda mais seguras, além do reforço do pavimento para garantir durabilidade da via”, explica Tizzot.

“Os serviços estão evoluindo bem e a nossa previsão é que em aproximadamente mais um ano tenhamos a via recuperada, sinalizada e com total capacidade de receber o tráfego”, acrescenta o secretário.

A rodovia, que liga duas das mais importantes cidades da região de Ponta Grossa e recebe carregamentos de madeira das indústrias de papel, faz parte também do Corredor Cerne, que vai estabelecer uma rota entre a região de Curitiba e o Norte do Paraná e criar uma alternativa à BR-376, estrada administrada pela Rodonorte.

“Estudos técnicos do DER mostram que essa nova alternativa poderá atrair até dois terços do tráfego que passa pela via pedagiada. Na configuração inicial, o corredor utilizava a Estrada do Cerne pela sua continuidade, por Piraí do Sul, mas essa nova alternativa por Castro, Tibagi, Telemâco Borba, Ortigueira e pela PR-445 mostrou-se mais eficiente, atraindo também o tráfego da região Noroeste”, explica Tizzot.

A rota via Estrada do Cerne liga Curitiba a Londrina, desviando quatro praças de cobrança de pedágio. No percurso da BR-376, o motorista passa por cinco.

Link para a matéria

COMMENTS