ExxonMobil inova e lança navios de alta tecnologia

A recente finalização do maior navio de transporte de GNL do mundo, batizado de "Mozah", representa um marco na indústria uma vez que haverá uma redução dos custos de transporte e, ao mesmo tempo, maior eficiência energética e menos emissão de gases no meio ambiente

Postos que vendem combustíveis adulterados podem ser fechados
União descarta mais uma vez hidrovia Teles-Pires/Tapajós
Cosan vende área de combustível de aviação à Shell

A ExxonMobil, líder em tecnologia no campo de gás natural liquefeito (GNL), fez um importante avanço no que se refere à estrutura e tamanho de suas embarcações, o que deverá facilitar o transporte de gás natural para os mercados de todo o mundo. A recente finalização do maior navio de transporte de GNL do mundo, batizado de “Mozah”, representa um marco na indústria uma vez que haverá uma redução dos custos de transporte e, ao mesmo tempo, maior eficiência energética e menos emissão de gases no meio ambiente. Os inovadores navios Q-Max podem transportar até 80% mais carga e necessitam de cerca de 40% menos de energia por unidade de carga em comparação com os navios transportadores de GNL convencionais, graças à eficiência de seus motores.

“Os navios transportadores Q-Max rompem com o modelo tradicional de transporte de GNL em praticamente todos os sentidos”, afirmou Neil Duffin, presidente da ExxonMobil Development Company. “A capacidade tecnológica que nos levou a desenvolver um novo tipo de navio de transporte de GNL é a mesma que move o espírito inovador em todos os aspectos da cadeia de valor do GNL.”

As tecnologias dos grandes navios cargueiros de GNL, desenvolvidas com a Qatar Petroleum – sua parceira neste empreendimento conjunto – compreendem numerosos avanços da indústria e significativos progressos, como o tamanho dos navios, unidades de reliquefação a bordo, motores a diesel de baixa velocidade, hélices e lemes duplos, os maiores tanques já fabricados a bordo de navios, última tecnologia em sistema antichoque para cascos e modernos sistemas de proteção contra incêndios. O resultado final desta nova geração de navios deve ser uma economia entre 20 e 30% no custo total de transporte.

“A Qatar Petroleum e a ExxonMobil fizeram um grande esforço técnico para chegar a este avanço revolucionário na indústria de transportes de GNL”, disse Faisal Al Suwaidi, diretor executivo da Qatargas. “O transporte constitui um elo crítico na cadeia de valor do GNL que se estende desde os Campos do Norte (North Field) do Qatar, uma das maiores reservas de gás natural do mundo que possui recursos recuperáveis de mais de 900 bilhões de pés cúbicos, até residências na Ásia, Europa e continente americano.” Com esta tecnologia inovadora, conseguimos transformar efetivamente o negócio do GNL de Qatar”, afirmou Al Suwaidi.

A Qatar Petroleum e ExxonMobil são acionistas de um empreendimento conjunto conhecido como Qatargas, que prevê o arrendamento do Mozah e outros cinco navios Q-Max para fornecer GNL a partir das estações de liquefação do Qatar.

Com uma capacidade aproximada de 140 mil metros cúbicos, o tamanho dos navios de GNL tem sido praticamente o mesmo há mais de 30 anos. Os operadores navais, especialistas em hidrodinâmica, arquitetos navais e engenheiros da Qatar Petroleum e ExxonMobil trabalharam lado a lado para desenvolver e testar rigorosamente os projetos dos tanques de carga das embarcações Q-Max, maiores do que os convencionais. Foram realizadas avaliações exaustivas do impacto da água sobre a carga para verificar se os novos sistemas são confiáveis.

,b> Três campos de futebol – Os navios de transporte Q-Max têm o comprimento superior a três campos de futebol, altura de quilha equivalente a 20 andares e estão equipados com os maiores tanques já feitos. Com uma capacidade total de até 266 mil metros cúbicos, cada navio pode transportar gás suficiente para atender a demanda energética de 70 mil casas nos Estados Unidos por ano.

Além de aumentar o tamanho do navio, desenvolveu-se um sistema de reliquefação a bordo com o objetivo de tornar novamente líquido o gás natural que se evapora durante o transporte e reinjetá-lo nos tanques de carga em estado líquido. Desta maneira, será aproveitada praticamente 100% da carga. Isto é particularmente importante em longos trajetos como entre o Qatar e a Europa ou o continente americano. Os navios Q-Max contam com dois motores movidos a diesel com hélices e lemes duplos. Isto permite uma redução de até um terço no consumo de combustível.

Reconhecidos por especialistas do setor como pioneiros na produção de GNL e inovação tecnológica, os empreendimentos conjuntos da ExxonMobil no Qatar serão testemunha de outros progressos nos próximos 18 meses. Além de atuar na indústria de navios cargueiros de GNL, a ExxonMobil, em parceria com a Qatar Petroleum, emprega tecnologia de ponta na construção, no Qatar, de quatro das maiores instalações de produção de GNL do mundo, e participa do desenvolvimento de projetos de regaseificação de GNL na Itália, Reino Unido e EUA.

COMMENTS