Enchentes forçam desvio de contêineres

"Até aqui não houve rejeição de nenhum contêiner mesmo com estes terminais operando perto do limite de sua capacidade porque há muita importação parada nos portos brasileiros devido a crise de crédito", disse Juarez Moraes e Silva, diretor do Terminal de Contêineres de Paranaguá e presidente da Associação Brasileira de Terminais de Contêineres (Abratec)

São Francisco estuda cobrar pedágio urbano
Apesar de atraso nas obras, secretário diz que Arco Rodoviário será entregue no prazo
Sped Fiscal entra em vigor em janeiro e já preocupa empresas

Com a completa paralisação dos portos de Itajaí e Navegantes (SC) devido as enchentes, toda a carga conteinerizada destinada a estes terminais está sendo desviada para Paranaguá (PR), Santos (SP) e São Francisco(SC). “Até aqui não houve rejeição de nenhum contêiner mesmo com estes terminais operando perto do limite de sua capacidade porque há muita importação parada nos portos brasileiros devido a crise de crédito”, disse Juarez Moraes e Silva, diretor do Terminal de Contêineres de Paranaguá e presidente da Associação Brasileira de Terminais de Contêineres (Abratec).

Canal assoreado

Segundo ele, a movimentação de Itajaí em setembro foi de 37 mil TEU’s (unidade que equivale a um contêiner de 20 pés) e a de Navegantes de 27 mil TEU’s e em novembro se esperava movimentar algo parecido com este número. “Segundo a autoridade portuária local, dois dos três berços operacionais de Itajaí estão danificados e um quarto estava em obras. Em Navegantes, o assoreamento do canal de acesso impede qualquer operação. Não há previsão de qualquer embarque nestes portos pelo menos até dia 15 de dezembro”, disse Juarez Moraes e Silva.

A previsão é a de que algum berço possa funcionar depois disso, mas a recuperação total destes portos se dará somente nos próximos seis meses. O Porto de Itajaí é responsável pela movimentação de 30% da exportação nacional de congelados segundo o Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), com o frango congelado representa a maior fatia das exportações (57%), o que significa cerca de 40% da movimentação nacional.

O Porto de Paranaguá responde por 29% da movimentação e o Porto de Santos por 8,5%.Principal ponto de escoamento das exportações catarinenses, o Porto de Itajaí deixa de movimentar, a cada dia fechado, US$ 35 milhões, segundo informações fornecidas pela autoridade portuária local. (Norberto Staviski – Gazeta Mercantil)

Link para a matéria

COMMENTS