Chuva reduz operação notuna em Paranaguá

De acordo com batimetria realizada pela empresa Paranaguá Pilots Serviços de Praticagem, houve um estreitamento significativo e assoreamento do Canal da Galheta, que dá acesso ao terminal

Alíquota da Cofins é adiada no Supremo
Kassab discute no ABC interligação de transporte e Rodoanel
Companhia aérea japonesa entra com pedido de concordata e cancela voo no Brasil

O porto paranaense de Paranguá vai restringir plenamente a navegação noturna e navios acima de 250 metros de comprimento só poderão operar com calado máximo de 9,90 metros – o calado atual é de 11,30 metros, restrições que vão atingir diretamente a capacidade operacional do porto porque as embarcações terão de sair do terminal com muito menos carga do que saem atualmente.

De acordo com batimetria realizada pela empresa Paranaguá Pilots Serviços de Praticagem, houve um estreitamento significativo e assoreamento do Canal da Galheta, que dá acesso ao terminal. Como a movimentação de produtos agrícolas ainda é pequena nesta época do ano, os problemas com o calado ainda não devem afetar o escoamento da safra paranaense que começa em março do ano que vem.

A empresa enviou ofício com o alerta ao Capitão dos Portos do Paraná, Marco Antônio do Amaral Silva, e ao superintendente da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa), Daniel Lúcio Oliveira de Souza, apresentando as sugestões das restrições de operação. Segundo a Appa, foram os mesmos fenômenos climáticos no Sul do Brasil que afetaram o Porto de Itajaí que também prejudicaram o Porto de Paranaguá.

Diferente do porto catarinense, onde os danos ficaram visíveis acima da superfície, no Paraná o efeito ficou embaixo da água e foi revelado apenas nesta semana com a batimetria. A situação dos portos do Paraná está sendo considerada pela Appa e pela Secretaria Especial de Portos (SEP) tão delicada quanto à do porto catarinense.

Uma dragagem emergencial, com foco nas áreas críticas, deverá ser realizada nos próximos dias pela SEP, a exemplo do Porto de Itajaí. O ministro de Portos, Pedro Brito, garantiu total apoio ao governo no Paraná. Técnicos da Appa estão em contato com técnicos da SEP para o levantamento da situação do Canal da Galheta e início dos trabalhos.

A dragagem emergencial, todavia, não anula as dragagens de manutenção e aprofundamento do canal da Galheta para 14 metros, previstas no Programa de Aceleração do Crescimento (APC), cujos procedimentos também estão em andamento na Secretaria Especial de Portos, que trabalha com dados e informações dos engenheiros da Appa para a elaboração do edital de licitação como foi feito nos portos de Recife, Santos e Rio Grande.

COMMENTS