As mudanças de bandeira em 2008

Considerado por analistas como um "processo de concentração", já que o mercado está nas mãos de cinco grandes marcas, controladas por quatro empresas, as alterações no segmento de venda de combustíveis começaram em março do ano passado

Motocicletas poderão ter velocidade limitada a 60 km/h
Lula vai à Bolívia inaugurar trechos do corredor rodoviário interoceânico
SP altera lei do IPVA, mas não revê cálculo este ano

O ano de 2008 foi marcado por muita movimentação no setor de distribuição de combustíveis no Brasil. Considerado por analistas como um “processo de concentração”, já que o mercado está nas mãos de cinco grandes marcas, controladas por quatro empresas, as alterações no segmento de venda de combustíveis começaram em março do ano passado, quando a Petrobras, o Grupo Ultra e a Braskem compraram a Ipiranga por US$ 4 bilhões.

Depois da venda da Ipiranga, a Cosan, líder nacional do setor sucroalcooleiro, na segunda quinzena de abril deste ano, surpreendeu o mercado e anunciou a aquisição dos ativos da Esso Brasileira de Petróleo, controlada pela gigante norte-americana ExxonMobil, por US$ 826 milhões – a companhia também assumiu dívidas de US$ 163 milhões, o que eleva o valor da compra para quase US$ 1 bilhão. A concorrência para a aquisição dos postos estava entre a Cosan e a Petrobras. Com a compra da Esso, a empresa sucroalcooleira passou a ser a quinta maior varejista de combustíveis do País.

Em agosto, mais uma surpresa: o grupo Ultra comprou, por R$ 1,16 bilhão, a rede de postos da Texaco Brasil. Com a aquisição, a companhia, que ingressou no segmento em março de 2007 com a compra da Ipiranga em parceria com a Petrobras, se consolidou como a segunda maior rede de distribuição do País com 23% do mercado.

E, para se fortalecer no competitivo setor, em outubro, a Ale anunciou a aquisição da rede de 130 postos da Polipetro, pequena rede localizada no estado do Paraná.

COMMENTS