Após quatro meses, CET retoma hoje fiscalização com radar móvel

Os novos radares vão ser instalados em rodízio em 37 pontos de corredores exclusivos de ônibus em avenidas da zona sul -Santo Amaro, João Dias, Robert Kennedy, Teotônio Vilela e José Diniz- e nas estradas do M'Boi Mirim e de Itapecerica

Impasse entre consórcio e Estado compromete terminal de Itajaí
Exportações no país e em SC têm forte redução
Delta tem um prejuízo de US$ 50 milhões

A CET retoma hoje a fiscalização com radares móveis em São Paulo, que estava suspensa há quatro meses, mas somente com dez aparelhos -até agosto, quando venceu o contrato com a empresa que prestava o serviço, havia 26 equipamentos.

Os novos radares vão ser instalados em rodízio em 37 pontos de corredores exclusivos de ônibus em avenidas da zona sul -Santo Amaro, João Dias, Robert Kennedy, Teotônio Vilela e José Diniz- e nas estradas do M’Boi Mirim e de Itapecerica. A maior parte dos pontos, 16, fica na avenida Santo Amaro.

Todos contam com câmeras fotográficas que registram velocidade (máxima de 50 km), invasão dos corredores exclusivos por veículos não autorizados e paradas proibidas.

O radar móvel, mais temido exatamente por fiscalizar pontos de forma aleatória, é uma das formas de impedir que carros entrem nos corredores e provoquem a redução da velocidade dos ônibus.

Neste ano, a administração Gilberto Kassab (DEM) enfrentou protestos de moradores da zona sul de São Paulo, inclusive com o bloqueio do trânsito, devido aos atrasos dos ônibus naquela região, que concentra 38% dos passageiros de toda a cidade diariamente.

O protesto, que reuniu cerca de mil pessoas, fechou durante seis horas a ligação entre a estrada M’Boi Mirim e a avenida Guarapiranga, e só acabou com a intervenção da Polícia Militar, que utilizou bombas de efeito moral e prendeu ao menos dez manifestantes.

Parte da responsabilidade pela lentidão seria da entrada de veículos nos corredores, irregularidade que a prefeitura prometeu combater por meio de maior fiscalização.

Embora a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) não divulgue a participação de cada tipo de radar no total de multas, há três anos os móveis respondiam por 26% da arrecadação.

Nova remessa – Outros três aparelhos também vão começar a multar ainda nesta semana, segundo a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego). Os 13 radares móveis restantes, que fazem parte de outro lote da licitação, devem ser entregues no início de janeiro, prevê a empresa.

Quando o contrato foi rompido, em 6 de agosto, a fiscalização eletrônica no trânsito ficou restrita a 40 radares fixos, cem lombadas eletrônicas e sensores fotográficos.

Segundo a CET, a licitação aberta para a compra de 175 radares fixos, que chegou a ser suspensa pela Justiça após recurso de um fornecedor, está em fase final -65 equipamentos de um lote de 123 já estão nas ruas e os demais devem ser entregues à companhia no início do ano.

COMMENTS