ABS e airbag terão de equipar todos os carros

Se a proposta for acatada ainda este ano pelo Contran, a partir de 2011 parte dos carros já terão de sair de fábrica com os equipamentos que aumentam a segurança

CI aprova proposta que limita a necessidade de aprovação pelo Senado de dirigentes de autarquias, agências reguladoras e fundações
Câmara aprova dois projetos que dão nomes a trechos rodoviários
Webjet amplia a oferta de voos a partir do Recife

A câmara técnica de assunto veicular encaminhou ao Conselho Nacional de Trânsito (Contran) parecer favorável à obrigatoriedade do airbag e do freio ABS em todos os veículos produzidos no Brasil. Se a proposta for acatada ainda este ano pelo Contran, a partir de 2011 parte dos carros já terão de sair de fábrica com os equipamentos que aumentam a segurança. O objetivo é que em cinco anos, a contar de 2011, todos os carros fabricados no Brasil tenham ABS e airbag de fábrica.

“O assunto já foi debatido durante um ano e chegamos a conclusão que os carros não podem mais prescindir destes equipamentos que já são de série na maioria dos países desenvolvidos”, afirmou Harley Bueno, diretor de segurança veicular da Associação Brasileira de Engenharia Automotiva (AEA), uma das entidades que compõem a câmara técnica do Contran.

De acordo com Bueno, as montadoras terão dois anos, a partir do ano que vem, para se adaptar à norma. Após o terceiro ano de vigência, 40% dos carros terão de ter os equipamentos e no quinto ano 100% dos veículos novos terão de ter os itens de série no Brasil.

De acordo com Bueno, o ABS e o airbag ampliam bastante as chances de sobrevivência em caso de acidentes. Ele não teme resistência das montadoras, já que os fabricantes terão quase sete anos para se prepararem. Além disso, a técnica é amplamente dominada em vários países – em alguns veículos, o ABS já está chegando à décima geração.

A idéia é que o volume de escala torne o preço dos equipamentos de segurança mais baratos, influenciando pouco o preço final do veículo. “Uma hora as montadoras teriam que começar a oferecer estes equipamentos de série”, afirmou José Edison Parro, presidente da AEA, entidade formada por engenheiros automotivos, fabricantes, autopeças e integrantes do governo, entre outros.

A obrigatoriedade do equipamento deve atrair interesse de fabricantes de autopeças para produzir o ABS e airbag, entre elas a Bosch e TRW. “Com um mercado de três milhões de unidades, haverá muito interesse em fabricar no Brasil estes equipamentos”, acredita Bueno.

A AEA também preparou um estudo para que o Ibama utilize como base para uma nova legislação que vai obrigar os veículos novos a sair de fábrica equipado com dispositivo que identifica emissões inadequadas de poluentes. O equipamento, que já existe nos países desenvolvidos, acende uma luz no painel quando há problema. A idéia é diminuir a poluição nas grandes cidades.

COMMENTS