Presidente da Infraero lança obras no Galeão e diz que é contra privatização de aeroportos

Ao todo serão investidos cerca de R$ 600 milhões do governo federal, até 2010, em melhorias nos dois terminais. Deste total, a metade é verba do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC)

Fazenda prorroga prazo de adesão ao programa de parcelamento do ICMS
Produtor da UE propõe barreira contra etanol
Paraná retoma os estudos para construção do poliduto entre Maringá e Porto de Paranaguá

O início das obras de revitalização no Aeroporto Internacional do Galeão – Tom Jobim foi autorizado ontem (3) pelo presidente da Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero), Sergio Gaudenzi. Ao todo serão investidos cerca de R$ 600 milhões do governo federal, até 2010, em melhorias nos dois terminais. Deste total, a metade é verba do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

O governo do estado já anunciou que deseja privatizar o Galeão. Gaudenzi ressaltou que é contra a privatização do Tom Jobim e disse que, se isso acontecer, vai resultar em um desequilíbrio geral na malha de aeroportos do país, pois os que geram lucro, como o Galeão, sustentam os que dão prejuízo, como os do interior do país.

“Eu tenho reiterado que não sou adepto da privatização individual de aeroportos. Defendo a abertura de capital da Infraero como um todo, para que ela possa operar com aeroportos que são rentáveis, cerca de 15, e com a renda desses aeroportos possa sustentar os que não são rentáveis, cerca de 50”, ponderou.

Gaudenzi também disse que a privatização dos aeroportos atinge questões de soberania e segurança nacional. O presidente da Infraero chegou a afirmar que sua posição é minoritária no governo federal, com exceção dos ministros militares.

“Se o caminho vai por esse lado, eu me sinto, no mínimo, na obrigação de por o cargo à disposição. O governo vai ver o que quer. Eu tenho uma posição e não recuo, porque acho que estou certo. Então eu deixo isso aí ao presidente [Luiz Inácio Lula da Silva], ao ministro [da Defesa, Nelson Jobim], tranqüilamente”, declarou.

Gaudenzi disse que o Galeão lucra cerca de R$ 17 milhões por ano e valeria, se fosse vendido, cerca de R$ 13 bilhões a R$ 15 bilhões.

“Eu também, se tivesse muito dinheiro, faria uma proposta de comprar um aeroporto desses, como Galeão, Campinas, São Paulo, Salvador, Brasília, pois são excepcionais”, afirmou.

A Infraero coordena quase 28 mil funcionários, em 67 aeroportos, e tem um faturamento de R$ 2 bilhões. Nesta primeira fase, a um valor de R$ 63 milhões, será concluído, no Galeão, o Terminal de Passageiros 2, que estava com as obras paralisadas há quase dez anos. Depois, será revitalizado o Terminal 1, que vai ganhar elevadores mais modernos, escadas rolantes e banheiros reformados.(Vladimir Platonow-Repórter da Agência Brasil)

Link para a matéria

COMMENTS