Dnit cobra rapidez para licenciamento ambiental em áreas próximas a estradas

Segundo o diretor do Dnit, é necessário também rever a metodologia de fiscalização. “Se houver problema, o responsável que responda por suas ações. O que não se pode é interromper as obras a todo momento e por qualquer motivo”, argumentou

Sem crise na aviação executiva, Embraer recebe 12 encomendas
Dnit promete reativar 28 radares em duas semanas em MG
Câmara aprova regulamentação do transporte de rochas ornamentais

O diretor-geral do Departamento Nacional de Infra-estrutura e Transportes (Dnit), Antônio Pagot, declarou ontem (26) que o órgão vem tendo dificuldades para obter o licenciamento ambiental de obras situadas nas faixas de domínio das estradas.

“Para realizar obras nessas faixas próximas às rodovias é necessário um trabalho burocrático imenso, para dar conta da série de demandas estabelecidas por Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama), Instituto Chico Mendes, Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e Fundação Nacional do Índio”(Funai)”, informou.

Pagot sugeriu que, a exemplo de países mais desenvolvidos, o Brasil deveria estabelecer um prazo máximo de 60 dias para a obtenção desse tipo de licenciamento. “Atualmente levamos até 36 meses para conseguir essa documentação”, disse.

As declarações foram feitas durante o simpósio Infra-Estrutura e Logística no Brasil – Desafios para um País Emergente, realizado até amanhã (27) pela Comissão de Serviços de Infra-Estrutura do Senado Federal.

Segundo o diretor do Dnit, é necessário também rever a metodologia de fiscalização. “Se houver problema, o responsável que responda por suas ações. O que não se pode é interromper as obras a todo momento e por qualquer motivo”, argumentou.

O diretor explicou que há regiões em que só é possível realizar obras durante quatro meses do ano e, em muitos casos, elas são obrigadas a paralisar logo após serem iniciadas. Pagot explica que o custo de retomada a cada paralisação representa mais prejuízo ao Estado, que se vê na obrigação de refazer constantemente planejamentos.

“Tem obras no Brasil que estão se arrastando há mais de 20 anos. É fundamental que, após serem decididas, elas tenham sua execução garantida”, disse. (Pedro Peduzzi-Repórter da Agência Brasil)

Link para a matéria

COMMENTS