Crise financeira deve atrasar licitação do trem-bala

“Não acho despropositado dizer que esse projeto pode ser licitado para concessão em 2010”, disse Pinho hoje (4), durante abordagem sobre o trem de alta velocidade, na Associação Comercial do Rio

Revenda da AmBev fecha acordo com Ford
Operações da Continental Airlines crescem em agosto
Petrobras inaugura primeiro posto de combustível com sua marca no Chile

A licitação para construção do trem de alta velocidade, que circulará entre as cidades do Rio de Janeiro e de São Paulo, prevista para 2009, deve atrasar um pouco. Para o subsecretário de Transportes do Rio, Delmo Pinho, a crise financeira mundial pode atrapalhar os planos do governo e adiar por um ano a concorrência.

“Não acho despropositado dizer que esse projeto pode ser licitado para concessão em 2010”, disse Pinho hoje (4), durante abordagem sobre o trem de alta velocidade, na Associação Comercial do Rio. “Evidentemente, as condições internacionais não são exatamente iguais às do começo do ano, e o mundo inteiro está se reprogramando”.

Segundo o subsecretário, a licitação também depende de estudos preliminares sobre o trajeto e os investimentos necessários ao empreendimento, que estão a cargo do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Bndes). Em princípio, o empreendimento custaria entre U$10 bilhões e U$15 bilhões. “Tem que recalcular. Tem uma variação do dólar agora.”

Durante abordagem sobre o projeto do trem-bala, Pinho informou que o trem fará paradas intermediárias entre São Paulo e Rio. Há possibilidade de estações nas cidades de Volta Redonda, no Rio, e São José dos Campos, em São Paulo. “Um trem pode contar com seis partidas por hora, por exemplo. Quatro [partidas] serão entre Rio e São Paulo direto e duas com paradas”, explicou.

“Ainda não se chegou a uma conclusão sobre nenhuma das paradas. Isso são indicativos para o concessionário, que, em função da rentabilidade do negócio, pode definir por uma parada ou por outra”, disse o subsecretário, em referências às cidades. “Isso também não quer dizer que daqui a dez anos não possamos ter duas ou três paradas no Rio”.

Por enquanto, informou Pinho, só está definido que, no Rio, o trem-bala partirá da estação Barão de Mauá, na região da Leopoldina, e que haverá estações intermediárias entre as duas capitais. “Isso é o que está certo e líquido. O resto dependerá do estudo do BNDES e do interesse da futura concessionária”, acrescentou. (Isabela Vieira-Repórter da Agência Brasil)

Link para a matéria

COMMENTS