Grupo Santos Brasil tem caixa para investir

O diretor de desenvolvimento da Santos Brasil, Mauro Salgado, disse que a empresa já estruturou um projeto para ampliar seus serviços nos portos de Vila do Conde, no Pará e em Imbituba, Santa Catarina

Volkswagen Caminhões é vendida por US$ 1,6 bi à MAN
Porto de Rio Grande cresce 35% até fevereiro
Câmara aprova ampliação da Ferrovia Norte-Sul de SP até RS

Após um ano de ser adquirida pela Santos Brasil, a Mesquita Soluções Logísticas tem planos de expandir sua atuação no Brasil. O diretor de desenvolvimento da Santos Brasil, Mauro Salgado, disse que a empresa já estruturou um projeto para ampliar seus serviços nos portos de Vila do Conde, no Pará e em Imbituba, Santa Catarina. “A Mesquita ainda é uma empresa regional, com atuação restrita a São Paulo. Com terminais que operamos nesses dois portos será possível oferecer os serviços da Mesquita”, disse Salgado que acumula o cargo de diretor-superintendente da Mesquita.

Numa negociação bem articulada, a Santos Brasil, em novembro de 2007 comprou a Mesquita por R$ 95 milhões e desde então começou a traçar um planejamento estratégico para a nova companhia. “Temos um plano de crescimento para os próximos cinco anos e diria que é ambicioso e para isso se concretizar é necessário que comecemos a expandir os serviços da Mesquita”, ressaltou Salgado.

A Mesquita, que tem 80 anos de fundação, atua no porto de Santos no Terminal de Contêineres (Tecon) e no Centro de Distribuição em São Bernardo do Campo (SP). “Nossa atuação se resume a raio de 250 quilômetros entre Santos e São Paulo, mas os clientes querem a expansão dos serviços”, disse o diretor comercial, Angelo Dias.

Para este ano serão investidos na Mesquita R$ 19 milhões na compra de empilhadeiras e cavalos mecânicos para ampliação da frota. “Além disso, cerca de R$ 2,5 milhões foram aplicados no CD de São Bernardo para aumentar a produtividade do local”, disse Dias. O CD de São Bernardo movimenta de 10 a 15 mil paletes mensais. “Fazemos a logística de grandes clientes como Colgate e Companhia Brasileira de Distribuição (CBD)”, disse o executivo.

Dias explicou ainda que o CD está em área de 105 mil metros quadrados com 30 mil metros quadrados de construção. Tem capacidade de 40 mil paletes e foi construído especialmente para a Mesquita. ” É importante ressaltar que o CD não é próprio, mas temos contrato de locação já renovado até 2017″, explicou ele, acrescentando que o valor do aluguel foi fixado em R$ 10 por m, corrigido anualmente pelo IGP-M.

Para este ano, a Mesquita prevê faturamento de R$ 120 milhões. Já na controladora, a Santos Brasil, a receita deve alcançar R$ 800 milhões, valor 25% superior ao apurado no ano passado. “Mesmo com a crise financeira mundial não revisamos nossas projeções. Estamos capitalizados, temos caixa de R$ 150 milhões e por isso não estamos reduzindo investimentos”.

Segundo o executivo, a Santos Brasil vai investir neste ano, somente no Tecon de Santos, R$ 250 milhões em equipamentos e melhoria da infra-estrutura. “Empresas mais maduras em logística conseguem desenvolver seus projetos mesmo com as adversidades do mercado”. (Ana Paula Machado – Gazeta Mercantil)

Link para a matéria

COMMENTS