Colt quer construir grande hangar no Galeão

"A logística é tudo para se evitar prejuízo", sentencia Eckmann "Apesar da crise, hoje, os empresários cada vez mais precisam de agilidade para fechar negócios, e a aviação executiva é uma ferramenta para otimizar custos."

Hoje é último dia pra frotista pedir desconto de 50% no IPVA (MS)
Ministério dos Transportes indica sete projetos do PAC para o REIDI
População ainda não sabe transportar crianças de maneira segura, alerta Denatran

Os três celulares e dois laptops ligados em weireless denunciam um executivo workaholic. Os negócios voam, e é preciso monitorá-los em tempo real. E só uma coisa pode tirar o jovem Alexandre Eckmann desse roteiro: o brevê de comandante de avião na carteira é o passaporte que o faz pular do sofá na sala vip para a cabine de um jato. Aos 34 anos, ele tornou-se um empresário da aviação executiva e hoje, em sociedade com um amigo, comanda a Colt Aviation, com quatro Learjets.

O case de Eckmann é a prova de que o setor de aviação executiva decolou no país nos últimos anos. “Fundei a Colt em Miami, em 1997, para importação e exportação de peças”, explica, ao passo que rememora também que turbulências na economia internacional o fizeram abandonar o sonho por alguns anos.

Em 2001, aos 27 anos, com o brevê de comandante, operou em companhias como TAM, Varig, Transbrasil e vislumbrou no novo horizonte dos bons números da economia um céu aberto para refazer seu próprio plano de vôo no mercado nacional.

Na rotina de venda e compra de aviões para empresários e amigos, mesclou o papel de piloto de empresas com o de consultor. Em 2004 tinha um ótimo salário como comandante do Legacy da mineradora Vale, mas abandonou para refazer, no ano seguinte, sua decolagem solo. A consultoria rendeu financeiramente e conseguiu dois aviões. Encontrou em Alex Meyerfreund, o herdeiro da fábrica de chocolates Garoto (vendida recentemente), o sócio que procurava para a Colt. Engana-se, no entanto, quem pensa ter sido um céu de brigadeiro as parcerias de Eckmann antes de Meyerfreund. Por três vezes, aqui e nos Estados Unidos, viu promessas de sociedade caírem por terra. A entrada do sócio na Colt capitalizou a empresa.

País tem a 2ª maior frota – “Hoje temos três Learjets modelo 31, e um modelo 35; encomendamos um jato Phenom 100 (da Embraer) e um Challenger, com autonomia para vôos internacionais”, comemora Eckamann.

O Brasil possui a segunda maior frota de aviões do mundo. São 10.562 aeronaves – 6.700 monomotores, 330 jatos e 1.100 helicópteros, entre outros modelos. Números que embalam o setor, apesar da crise financeira atual no mundo.

“E a vantagem do País é que a média de idade da frota do táxi aéreo é de 15 anos, muito nova”, complementa. O novo cenário da economia brasileira explica bem o porquê de números positivos no setor. Cada vez mais empresários têm recorrido aos jatos para negócios. E, nos fins de semana, é mais comum ver famílias e amigos trocarem um vôo comercial pelo atendimento personalizado e luxuoso de um avião executivo.

“A logística é tudo para se evitar prejuízo”, sentencia Eckmann “Apesar da crise, hoje, os empresários cada vez mais precisam de agilidade para fechar negócios, e a aviação executiva é uma ferramenta para otimizar custos.”

Os ventos da crise norte-americana ainda não causaram tempestades aqui. Prova é que o Brasil tem uma carteira de recebimento de mais de 280 jatos executivos nos próximos anos. O setor, apesar disso, continuará aquecido, diz o comandante.

Não por acaso outras empresas do ramo, como as grandes Líder Táxi Aéreo e a Global, continuam fortes. “As pessoas pensam que os fretamentos, por exemplo, vão diminuir. Não necessariamente, porque as empresas vão precisar fechar mais negócios. O frete passará a crescer, agora”, acredita Eckmann.

Novo hangar – A malha aérea nacional e a falta de estrutura comparada a países de primeiro mundo explicam, em outra vertente, o fato de o Brasil ter uma boa frota de jatos particulares e justifica o crescimento do táxi aéreo.

Das mais de 5 mil cidades do país, só metade tem pistas de pouso – o que não significa qualidade e oportunidade para operação. E os vôos regulares das grandes companhias atendem pouco mais de 100 cidades – o que obriga executivos, políticos e artistas, o público alvo do táxi aéreo, a fretarem aviões.

De olho no crescimento do setor, a Colt, que já opera num hangar no aeroporto de Congonhas, agora quer construir um grande hangar no Aeroporto Internacional Tom Jobim, o Galeão, no Rio. A empresa pretende investir US$ 10 milhões para construir em 36 mil metros quadrados, com geração de 200 empregos diretos.

COMMENTS