BNDES faz financiamento a fundo perdido para incrementar transporte aéreo

Os pedidos não-reembolsáveis, a fundo perdido, serão recebidos até 24 de novembro, por empresas ou consórcios, no âmbito do Fundo de Estruturação de Projetos

São Paulo aumenta limite de endividamento e investirá em transporte
Preço do álcool sobe em 20 estados e uso da gasolina fica mais vantajoso
Cobrança de pedágio começa dia 29 no trecho paulista da Rodovia Régis Bittencourt

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) realizará, no próximo dia 5, uma chamada pública para orientar e identificar projetos futuros no setor de transporte aéreo. Trata-se de recursos para incrementar esse segmento econômico.

Os pedidos não-reembolsáveis, a fundo perdido, serão recebidos até 24 de novembro, por empresas ou consórcios, no âmbito do Fundo de Estruturação de Projetos. A dotação total desse fundo é de R$ 50 milhões, recursos de uma linha específica do orçamento do BNDES.

Segundo o chefe de departamento na área de Estruturação de Projetos, Cleverson Aroeira da Silva, os estudos técnicos deverão avaliar a atual situação do transporte no Brasil. Essa avaliação inclui regulação, competitividade e infra-estrutura do setor para o curto, médio e longo prazos.

O consórcio ou empresa selecionado nesta fase será convocado a apresentar projeto detalhado dos estudos técnicos. De acordo com Cleverson, a iniciativa faz parte de uma série de medidas tomadas pelo Ministério da Defesa, pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e pelo BNDES, com o objetivo de promover o desenvolvimento e a modernização da aviação civil brasileira.

Além dos levantamentos setoriais, posteriormente também serão realizados estudos para a reestruturação da Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero). A importância do modal de transporte aéreo brasileiro, observa Cleverson, vem avançando nos últimos anos, sendo notáveis as mudanças tecnológicas e institucionais do setor.

Segundo ele, nos próximos 15 anos, o segmento de transporte aéreo deverá ter potencial de crescimento médio de 7% ao ano. (Riomar Trindade-Repórter da Agência Brasil)

Link para a matéria

COMMENTS