Analistas reduzem projeção de alta dos juros, mesmo esperando aumento da inflação

Anteriormente, os analistas esperavam que a Selic subiria dos atuais 13,75% para 14,25%. A nova projeção divulgada hoje é de 14%

Companhia aérea japonesa entra com pedido de concordata e cancela voo no Brasil
GE Transportation demite 70 pessoas em Contagem (MG)
Com redução de demanda, Vale vai negociar contratos

Apesar de esperar por aumento da inflação, analistas de mercado reduziram a projeção de alta da taxa básica de juros, a Selic, na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) que começa amanhã (28) e prossegue na quarta-feira. A informação consta do boletim Focus, publicação do Banco Central com base em pesquisa realizada semanalmente com analistas de mercado sobre os principais indicadores da economia.

Anteriormente, os analistas esperavam que a Selic subiria dos atuais 13,75% para 14,25%. A nova projeção divulgada hoje é de 14%. Os analistas esperam também outra elevação de 0,25% na próxima reunião, em dezembro, de modo que a taxa feche o ano em 14,25%. Anteriormente, a projeção para o final do ano era de 14,50%. Para 2009, é mantida a projeção de 13,50% há três semanas.

Entretanto, no caso das instituições “Top 5”, as que mais acertam suas projeções, a expectativa é de manutenção da Selic em 13,75% na reunião deste mês. Anteriormente, a estimativa desse grupo era de 14,25%. Para o final do ano, a projeção desses analistas passou de 14,75% para 14,25% e em 2009 a expectativa foi mantida em 13,75%.

Segundo o boletim, a projeção de analistas de mercado para a inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2008 subiu pela terceira semana consecutiva. A estimativa passou de 6,23% para 6,29%. Para o próximo ano, a estimativa foi ajustada, pela segunda semana seguida, de 4,90% para 5%. As informações são do boletim Focus, publicação semanal, elaborada pelo Banco Central com base em consulta a analistas de mercado sobre os principais indicadores da economia.

A meta de inflação do governo, medida pelo IPCA, é de 4,5% com margem de dois pontos percentuais para mais ou para menos, ou seja, o limite superior é de 6,5% e o inferior de 2,5%.

Na hora de definir os juros básicos, o Copom do Banco Central leva em consideração, entre outros fatores a trajetória e perspectivas de inflação e o cenário internacional. A taxa é usada pelo Banco Central para controlar a inflação, restringindo o acesso ao consumo, com encarecimento do crédito. Mas a crise financeira internacional têm reduzido o crédito, o que levou o governo a adotar várias medidas para aumentar os recursos disponíveis na economia. Com isso, analistas argumentam que o BC não deveria usar a mesma estratégia de elevação da Selic como fez em reuniões anteriores do Copom neste ano. Além disso, há o argumento de que vários bancos centrais no mundo reduziram os juros básicos por conta da crise financeira internacional. (Kelly Oliveira – Repórter da Agência Brasil)

Link para a matéria

COMMENTS