Taxistas em 11 cidades já aceitam pagamento por celular

Uma revolução silenciosa está acontecendo nas ruas de algumas cidades brasileiras. A maioria das pessoas desconhece, mas funcionários de pelo menos 90 empresas brasileiras já utilizam o celular para pagar as corridas de táxi

Detran investe em campanhas educativas para conscientizar motociclistas
TomTom, gigante do GPS, chega ao país
Primeiro trecho da Serra do Cafezal deve sair do papel

Cerca de 90 empresas brasileiras já utilizam o celular para pagar corridas de táxi; paulista Wappa, criada com aporte de fundos de capital de risco, é pioneira na implantação do serviço.

Uma revolução silenciosa está acontecendo nas ruas de algumas cidades brasileiras. A maioria das pessoas desconhece, mas funcionários de pelo menos 90 empresas brasileiras já utilizam o celular para pagar as corridas de táxi. A pioneira na implantação do pagamento via celular (mobile payment) foi a paulistana Wappa, empresa criada com aporte dos fundos de capital de risco MVP Tech Fund e Reif-Fiee, que começaram a operar em 2006 e têm entre os cotistas instituições como Sebrae, Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

O M-Payment, como é conhecido, elimina boletos de papel e proporciona maior controle das despesas e agilidade de processos internos para clientes e credenciados. A Wappa já possui 40 empresas de táxi cadastradas em 11 estados brasileiros, com cerca de 7,5 mil taxistas credenciados. Segundo o diretor da empresa, Paulo Pinho, no início a dificuldade foi dar treinamento aos taxistas. “Havia um preconceito grande na utilização do sistema, já que ele corrigia determinados vícios como, por exemplo, a troca do boleto antecipadamente com desconto”.

No sistema da Wappa, o motorista dispõe de uma ordem de serviço gerada no fim da corrida. Com uma senha ele confirma os dados desse serviço com a central, sabendo exatamente quanto vai receber. Segundo Pinho, o sistema utiliza o SMS (mensagem de texto por celular). “Montamos um sistema que dispensa investimentos com hardware e POS (máquina de cartão de débito e crédito) dentro do carro do taxista”, diz.

Ao concluir a corrida, o usuário, com o celular habilitado, cria uma mensagem de texto com o número da empresa de táxi (cada uma tem o seu código), do carro, da senha de quatro dígitos e do valor da corrida. Esse SMS é enviado para um determinado número que a Wappa mantém na operadora. A empresa de telefonia recebe o SMS e autoriza o pagamento. Quem paga o SMS é a Wappa, que repassa os valores para a operadora conforme pacote de dados contratado. E ela ganha com as taxas de administração de seus clientes.

Outra vantagem do sistema é que ele permite liberdade de escolha da empresa de táxi, o que em São Paulo pode ser uma grande vantagem em função de os veículos ficarem horas presos em congestionamentos. O sistema elimina também o preenchimento errado dos boletos, o que muitas vezes atrasa o pagamento da empresa de táxi. A maioria das empresas é cooperativa de táxi e, por isso, precisam receber o pagamento para repassar aos seus cooperados.

Com a solução, é possível aos clientes terem relatórios gerenciais via web, todos com análises de custos e gráficos de utilização do transporte. Eles podem aumentar seus limites de crédito também pela internet e terem acesso à rede de táxi no País todo com descontos previamente acordados.

A Wappa deverá em breve, segundo Pinho, fazer parcerias com redes de combustíveis. “Um dos problemas que os motoristas enfrentam é precisar de dinheiro para colocar combustível. Com um relatório de créditos e a parceria, os taxistas poderão descontar seus créditos nos postos credenciados”. Além disso, a Wappa quer levar o M-Payment para as farmácias, restaurantes, supermercados, entre outros.

Link para a matéria

COMMENTS