Polícia Rodoviária Federal lança, no Paraná, novo modelo de patrulhamento de estradas

O projeto faz parte do Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci) e deve ser aplicado nos 61 mil quilômetros de rodovias

Volkswagen Caminhões é vendida por US$ 1,6 bi à MAN
Hidrovia Paraná-Tietê, um novo e mais barato caminho para MS
Camex quer criar mecanismos para facilitar as exportações brasileiras

Um  novo modelo de policiamento nas estradas federais, as Unidades de Atendimento ao Cidadão (Unaci) foram lançadas hoje (1º), em Curitiba, pela Polícia Rodoviária Federal(PRF), com o objetivo de reduzir em 12% o número de acidentes de trânsito no país. No ano passado,  foram registrados 122,8 mil acidentes nas rodovias federais.

O projeto  faz parte do Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci) e deve ser aplicado nos  61 mil quilômetros de rodovias sob responsabilidade da PRF em todo o Brasil.

Segundo o diretor-geral da PRF, inspetor Hélio Cardoso Derenne,  a região metropolitana de Curitiba recebe a primeira etapa do projeto porque representa, em escala reduzida, toda variedade de traçados  públicos das rodovias. “São  529 quilômetros num total de  vinte municípios, beneficiando três milhões de habitantes. A partir de 2009, o modelo de patrulhamento será replicado no Rio de Janeiro, Santa Catarina, Pernambuco e Minas Gerais”, informou.

A idéia, segundo o inspetor, é  tentar mudar a realidade de violência nas estradas, usando critérios científicos. “A fiscalização estará mais presente nas estradas. O cidadão brasileiro só respeita as regras quando enxerga a presença física do Estado”, disse. “Estudos estatísticos vão permitir que a distribuição de viaturas e postos obedeça a padrões claros. O número de policiais em cada região também será estabelecido por fórmulas objetivas e equipes operacionais vão se especializar nas mais diversas áreas de atuação, dinamizando o trabalho na pista e maximizando resultados. O atendimento deverá ser feito em apenas alguns minutos”, acrescentou.

Técnicos da Polícia Rodoviária Federal demoraram um ano  para criar o modelo, a partir de estudo acadêmico da própria PRF, que durante seis anos observou  parâmetros internacionais de policiamento, especialmente o modelo norte-americano.

Os policiais da ronda trabalharão em duplas, mas terão a garantia de apoio de outras viaturas e áreas especializadas sempre que a gravidade da ocorrência exigir maior aparato. Estão previstas também ações sociais nos municípios contemplados pelo projeto, com ênfase na educação de trânsito e saúde do motorista profissional.

Até agora, 300 policiais rodoviários federais voltaram para as salas de aula e receberam os mais variados cursos e capacitações.

Segundo o diretor-geral da PRF, os recursos para viabilizar o projeto são do  Pronasci. “Um total de  R$ 12 milhões para este ano e está prometido em torno de  R$ 38 milhões para o ano que vem”, informou. (Lúcia Norcio – Repórter da Agência Brasil)

Link para a matéria

COMMENTS