OceanAir é a mais pontual segundo Anac

OceanAir já retoma seu plano de crescimento: é a companhia aérea mais pontual do mercado brasileiro pela quarta vez consecutiva

Etanol reduz em 73% emissões de CO2
Governo paulista anuncia investimento de R$ 3,9 bilhões na recuperação de estradas vicinais
Confira as 20 principais obras feitas nos últimos sete anos (PR)

Cem dias após ter se reestruturado, com nova malha aérea e frota uniformizada de jatos Fokker MK-28, a OceanAir já retoma seu plano de crescimento: é a companhia aérea mais pontual do mercado brasileiro pela quarta vez consecutiva, divulgou a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil).

Em outubro, a companhia aérea aumentará  para 11 o número de aeronaves em operação (dos 14 aviões que possui, hoje opera com nove) e deverá antecipar a chegada da frota de Airbus, adquirida pelo Grupo Sinergy.
Com a decisão de operar com um só tipo de avião (Fokker MK-28), a OceanAir reduziu custos com vôos concentrados. A empresa também direcionou foco na ponte aérea, além de capitais e cidades médias pelo Brasil. Inaugurada em abril, a ponte aérea São Paulo-Rio de Janeiro conta hoje com mais freqüências – são 10 diárias e segue com elevados índices de pontualidade e de ocupação.

Com a unificação da frota, a OceanAir também melhorou a produtividade. A maioria dos vôos tem ocupação média acima de 75%, a regularidade passou de 78,5% em abril para 99% em agosto e a pontualidade subiu de 81,32% para 95% no período. “Todo processo de reestruturação focou o atendimento ao cliente, serviço e pontualidade. Nossos aviões oferecem conforto e ótimo serviço de bordo. Com a recuperação dos índices operacionais e a pontualidade, temos a chave para conquistarmos cada vez mais o passageiro”, enfatiza o diretor executivo Renato Pascowitch.

A chegada das aeronaves Airbus no próximo ano – o grupo Synergy, que controla a OceanAir, tem pedidos de compra de mais de 80 aviões, entre modelos da Airbus e da Boeing, sendo que parte delas serão destinadas às operações brasileiras – deverá proporcionar a volta dos vôos internacionais. “Vamos operar onde há demanda”, explica Pascowitch.

COMMENTS