Locar dobra faturamento e amplia frota de balsas de apoio marítimo

A Locar, entre as maiores empresas no içamento de cargas por meio de guindastes da América Latina, fechou os primeiros oito meses de 2008 com receita operacional bruta de R$ 225 milhões

GM pretende fechar 40% de suas concessionárias
Usuário poderá ter resposta de órgão de trânsito em 24 horas
Concessionária alerta para obra na BR-101 Norte

A expansão da indústria de base tem estimulado a demanda de produtos e serviços. Exemplo de empresa beneficiária pelo ‘boom”, a Locar, entre as maiores empresas no içamento de cargas por meio de guindastes da América Latina, fechou os primeiros oito meses de 2008 com receita operacional bruta de R$ 225 milhões, 105% superior sobre igual período de 2007.Julio Eduardo Simões, presidente da Locar, promete mais.

Ao atribuir a expansão da Locar ao aquecimento de negócios dos setores marítimo, petróleo, petroquímico, mineração, papel e celulose e cimento, Simões revela os novos passos. “Criamos a divisão marítima para atuar nas áreas de transportes de peças especiais (grandes projetos) e apoio em offshore”, diz o empresário que projeta receita de R$ 335 milhões para o ano todo – quase o dobro do ano passado, com R$ 185 milhões. Para 2009 a previsão é de receita de R$ 500 milhões.

A divisão marítima tem orçamento de investimentos no valor de R$ 70 a R$ 100 milhões para os próximos três anos. Já encomendou duas balsas ao Estaleiro Erin, de Manaus – uma delas é do tipo oceânico para 3.500 toneladas. Em paralelo, encomendou ao Erin o barco Line Handling, com propulsão azimutal para maior mobilidade nas manobras. O barco vai dar apoio ao manuseio de cabos, amarração e suprimento de plataformas. Além do Line Handling, há outro barco encomendado – a entrega de ambos está marcada para inicio de 2009. A recém-criada divisão negocia novas aquisições. “Pretendemos chegar ao final de 2009 com 10 embarcações”. A área de apoio logístico marítimo, segundo Simões, está sendo reforçada para suprir demanda já intensa e redobrada com as descobertas de petróleo a 6 mil metros nas profundezas do mar, a 6 mil metros . “A divisão marítima, prevemos, contribuirá para nosso crescimento. Deverá representar 15% da receita no intervalo de três anos”.

Além da divisão marítima, a Locar informa a compra de 90, plataformas as aéreas. Resultado de R$ 30 milhões em investimentos, estes equipamentos de segurança,. locados para trabalhos em altura, são em duas versões – ´´tesoura, para movimentos verticais e articulada, para movimento horizontal e vertical.

Diversificação

A Locar tem adotado a estratégia de diversificar as atividades de área de movimentação de carga, logística e locações.

Nessa linha, ano passado a Locar criou a divisão de gruas com gerenciamento próprio. Para isso, de início, comprou 26 máquinas Liebherr, que estão sendo entregues ao longo deste ano. As gruas ou guindastes de torre são computadorizadas.

Segundo a empresa, o plano inicial foi corrigido – de uma previsão de investimento de R$ 215 milhões para este ano passou ara um montante acima de R$ 250 milhões.

Estrutura

A Locar, com 20 anos de atividades, tem capital 100% brasileiro e emprega hoje 1,4 mil funcionários entre a matriz, em Guarulhos, e as bases de Contagem (MG), Camaçari e Pojuca (BA), Vitória (ES), no Rio de Janeiro (RJ) e São Luís (MA).

Ranking

No ranking 2007 da Cranes Today, publicação especializada em guindastes, a Locar ocupava a 29ª posição entre as maiores do mundo e foi a única representante da América Latina.
“Da carteira com um total de mais de 200 clientes ativos, destacam-se a Petrobras, Braskem, Vale, Caraíba, Usiminas, CNO, Alumar, Camargo Corrêa e Petroquímica União”, destaca a Locar. (Gazeta Mercantil/Caderno C – Pág. 1)(Ariverson Feltrin)

Link para a matéria

COMMENTS