Honda e Yamaha desenvolvem motos movidas a eletricidade

"Estamos pressionando para o desenvolvimento dos veículos elétricos de duas rodas, mas não decidimos sobre o preços ou data de lançamento", disse ontem o porta-voz da Honda, Akemi Ando

Volume de grãos embarcados em Paranaguá supera ano passado
Movimento do Porto de Santos registra recorde histórico em abril
Cobrança do ICMS será adiada em SP

Honda Motor e Yamaha Motor, maiores fabricantes mundiais de motocicletas, desenvolvem modelos elétricos para atrair motociclistas em meio aos preços altos da gasolina em vários mercados onde os dois gigantes japoneses vendem e fabricam.

“Estamos pressionando para o desenvolvimento dos veículos elétricos de duas rodas, mas não decidimos sobre o preços ou data de lançamento”, disse ontem o porta-voz da Honda, Akemi Ando.

A Honda planeja o lançamento de suas motos elétricas até 2011, e a Yamaha irá apresentar sua versão em 2010, divulgou ontem o jornal Nikkei. A Yamaha trabalha para lançar um veículo elétrico de duas rodas junto com suas linhas existentes de scooters 50 cc, disse o porta-voz Takashi Kitagawa.

Yamaha parou de vender as scooters elétricas EC-02 e Passol-L em setembro último, após um recall de baterias. As duas companhias irão empregar baterias de ion lítio em seus veículos, disse o Nikkei ontem.
Os preços mensais médios da gasolina no varejo do Japão avançaram 29% nos 12 meses finalizados em junho. Os preços da gasolina nos Estados Unidos subiram 20% este ano.

No Brasil

Líderes de vendas no Brasil, Honda e Yamaha poderiam vender aqui também seus modelos elétricos, depois de os produtos passarem pelo crivo do mercado japonês.

O Brasil já se situa hoje entre os países que mais fabricam motocicletas. O País ocupa atualmente a quarta colocação no ranking mundial – atrás da China, Índia, e Indonésia. A produção deste ano deve ultrapassar as dois milhões de unidades.

Veículo econômico e ágil, a moto se adaptou às condições econômicas do brasileiro de baixa renda. A motocicleta mais popular, de 125 cilindradas abaixo, quando financiado, tem parcelas que cabem no bolso da maioria dos consumidores. Nas cidades brasileiras, a moto se destaca pela sua agilidade no trânsito. No interior, é veículo de trabalho e transporte de passageiros.

Antes de um veículo elétrico, muitos consumidores gostariam de ter aqui uma moto flex, tecnologia que já é adaptada em oficinas de fundo de quintal. (Bloomberg News e Redação – Gazeta Mercantil)

Link para a matéria

COMMENTS