Expansão de dados impulsiona setor

Enquanto o preço dos equipamentos cai, devido à evolução tecnológica, ganha importância para o setor as ofertas que compreendem software e serviços que ajudam no gerenciamento das informações corporativas

TAM fecha primeiro trimestre no azul
Governo prepara pacote de normas mais rígidas para o trânsito
Código de trânsito pode ficar mais severo

A explosão de dados criados no mundo garante a saúde do mercado de armazenamento de dados (storage). Enquanto o preço dos equipamentos cai, devido à evolução tecnológica, ganha importância para o setor as ofertas que compreendem software e serviços que ajudam no gerenciamento das informações corporativas.O volume de dados no mundo dobra a cada ano e deve atingir os 1,8 zettabytes – medida equivalente a trilhões de gigabytes -, em 2012, afirma a vice-presidente de marketing para gestão de conteúdo e arquivamento da fabricante EMC, Whitney Tidmarsh.

O mercado de storage cresce 23% ao ano, em volume de dados, mas em receita o crescimento deve ficar entre 11% e 12%, conta o presidente da Hitachi Data Systems no Brasil (HDS), Edson Bispo.

A previsão da empresa de pesquisas IDC é de que a expansão de investimentos em tecnologia da informação no Brasil atinja os 11% este ano, em relação aos US$ 24 bilhões do ano passado. O segmento de equipamentos de storage deve crescer abaixo desse ritmo, numa porcentagem inferior a 10%, no entanto, se forem contabilizados software e os serviços, acompanhará os gastos totais de TI, com uma expansão até um pouco superior, prevê o diretor de pesquisas da IDC, Reinaldo Roveri. “Há forças de todos os lados atuando em storage, mas todas levam para um ponto comum: a expansão de dados não estruturados”, avalia. Entre elas, estão as regulações governamentais, que exigem mais tempo e segurança de armazenamento das informações, a explosão de dados criados na internet, que devem aumentar à medida que os aparelhos móveis passam a ter mais capacidade de acesso e uso acentuado de sistemas de negócios nas empresa, lista o consultor.

As empresas montaram nas últimas décadas sistemas para guardar as informações de negócios e estabeleceram políticas de armazenagem e segurança delas, mas cada vez mais ganham importância dados que nascem em fontes alternativas às que “cabem em banco de dados, como as que vêm do e-mail e da internet”, afirma Whitney. “Cerca de 80% dos dados nas empresas hoje são não estruturados.” Por isso, o uso de software de gestão de dados se torna essencial para que eles sejam armazenados de forma mais eficiente, se evite a duplicação e sejam categorizados de acordo com sua importância para o negócio – os mais importantes ficam em máquinas mais seguras e podem ser recuperados mais rapidamente. “Novas regulações são grande incentivadoras de investimentos, mas a busca por crescimento da receita e economia de custos é mais ainda”, afirma.

Os investimentos estão acontecendo. A EMC anunciou sua primeira fábrica no País, em Hortolândia (SP), terceirizada com a Celestica, e a IBM afirmou que trará novos equipamentos para serem feitos no Brasil. Já a HDS, empresa de storage do grupo japonês Hitachi, tem uma agressiva meta de triplicar a receita no período entre 2008 e 2010. Com isso, foi preparado um plano de reestruturação da operação local, iniciado em abril, que incluiu a promoção de Edson Bispo ao comando. (Gazeta Mercantil/Caderno C – Pág. 3)(Carlos Eduardo Valim)

Link para a matéria

COMMENTS