Crédito para comprar veículos aumenta, mas viário não suporta novos carros

Acesso ao crédito para compra de veículos tem crescido a uma razão inversamente proporcional à capacidade das ruas das cidades brasileiras para receber novos carros

Transportadoras do ABC paulista se unem para formar novo operador logístico
Mercedes-Benz Actros segue como protagonista da Caravana de Natal da Coca-Cola
BNDES prorroga o Procaminhoneiro para o final do ano

Dados da Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras (Anef) dão conta de que os recursos destinados a linhas de crédito para a compra de veículos bateu a casa dos R$ 133 bilhões no mês de julho, com um crescimento de 43,8% em relação ao mesmo mês do ano passado. De acordo com a Associação, o montante do dinheiro representa 4,5% do PIB brasileiro e a média de duração dos financiamentos é de 42 meses, com opções de até 72 meses.

Esta facilidade para a obtenção de crédito para a aquisição de veículos acompanha o bom momento da economia nacional, com crescimento e mercado automobilístico aquecido. Nos últimos dozes meses, a indústria automobilística bateu sucessivos recordes de produção, com mais de 317 mil veículos produzidos apenas no mês de julho último.

Neste cenário, com a renda das famílias em ascensão, a indústria vendendo como nunca e as linhas de crédito facilitando o acesso ao veículo próprio, o caos instalado no trânsito das principais cidades do País tende a piorar. O debate sobre a mobilidade urbana, um tema que concerne a todas as pessoas que vivem nas grandes cidades, deve ter prioridade e medidas para minorar o impacto dos congestionamentos na vida das pessoas e na economia nacional têm que ser tomadas com urgência.

No caso de São Paulo, a maior cidade do País, medidas restritivas à circulação de veículos de cargas não demonstraram os resultados esperados e os congestionamentos na cidade voltaram a atormentar os que precisam trafegar pela metrópole. Somente na Capital paulista, são emplacados pelo Detran cerca de 750 veículos por dia.

Este número, aliado à enorme massa de veículos que passam pela cidade para acessar outras regiões do Brasil, torna o trânsito paulistano o pior da América do Sul. Em cidades como o Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife, Porto Alegre e Brasília, a situação ainda não se encontra tão deteriorada como em São Paulo, mas a facilidade de entrada de novos veículos em suas ruas faz com que o caos se avizinhe.

Na entrevista que o Portal Transporta Brasil realizou com os dez candidatos à prefeitura de São Paulo, um ponto em comum em todas as opiniões dos concorrentes à vaga de mandatário da cidade chamou atenção: todos os candidatos têm a consciência de que o viário público é escasso e que é necessário implementar uma política de desestimulação do uso do veículo particular, principalmente com apenas um ocupante, e a viabilização de um sistema de transporte que priorize os deslocamentos coletivos.

Em tempos de eleições, temas como a mobilidade urbana devem ter toda a atenção possível e o Portal Transporta Brasil está de olho nesse assunto. Para enviar sua opinião ou história com o tema mobilidade urbana, por favor, escreva para opiniao@transportabrasil.com.br

COMMENTS