Crédito para comprar veículos aumenta, mas viário não suporta novos carros

Acesso ao crédito para compra de veículos tem crescido a uma razão inversamente proporcional à capacidade das ruas das cidades brasileiras para receber novos carros

MAN TGX sai com 0% de entrada até o final de agosto
Brasil precisa de R$ 82 bi para encher o tanque
Setor de transportes tem quatro empresas entre as PMEs que mais crescem no Brasil

Dados da Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras (Anef) dão conta de que os recursos destinados a linhas de crédito para a compra de veículos bateu a casa dos R$ 133 bilhões no mês de julho, com um crescimento de 43,8% em relação ao mesmo mês do ano passado. De acordo com a Associação, o montante do dinheiro representa 4,5% do PIB brasileiro e a média de duração dos financiamentos é de 42 meses, com opções de até 72 meses.

Esta facilidade para a obtenção de crédito para a aquisição de veículos acompanha o bom momento da economia nacional, com crescimento e mercado automobilístico aquecido. Nos últimos dozes meses, a indústria automobilística bateu sucessivos recordes de produção, com mais de 317 mil veículos produzidos apenas no mês de julho último.

Neste cenário, com a renda das famílias em ascensão, a indústria vendendo como nunca e as linhas de crédito facilitando o acesso ao veículo próprio, o caos instalado no trânsito das principais cidades do País tende a piorar. O debate sobre a mobilidade urbana, um tema que concerne a todas as pessoas que vivem nas grandes cidades, deve ter prioridade e medidas para minorar o impacto dos congestionamentos na vida das pessoas e na economia nacional têm que ser tomadas com urgência.

No caso de São Paulo, a maior cidade do País, medidas restritivas à circulação de veículos de cargas não demonstraram os resultados esperados e os congestionamentos na cidade voltaram a atormentar os que precisam trafegar pela metrópole. Somente na Capital paulista, são emplacados pelo Detran cerca de 750 veículos por dia.

Este número, aliado à enorme massa de veículos que passam pela cidade para acessar outras regiões do Brasil, torna o trânsito paulistano o pior da América do Sul. Em cidades como o Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife, Porto Alegre e Brasília, a situação ainda não se encontra tão deteriorada como em São Paulo, mas a facilidade de entrada de novos veículos em suas ruas faz com que o caos se avizinhe.

Na entrevista que o Portal Transporta Brasil realizou com os dez candidatos à prefeitura de São Paulo, um ponto em comum em todas as opiniões dos concorrentes à vaga de mandatário da cidade chamou atenção: todos os candidatos têm a consciência de que o viário público é escasso e que é necessário implementar uma política de desestimulação do uso do veículo particular, principalmente com apenas um ocupante, e a viabilização de um sistema de transporte que priorize os deslocamentos coletivos.

Em tempos de eleições, temas como a mobilidade urbana devem ter toda a atenção possível e o Portal Transporta Brasil está de olho nesse assunto. Para enviar sua opinião ou história com o tema mobilidade urbana, por favor, escreva para opiniao@transportabrasil.com.br

COMMENTS