Corredor ferroviário vai ligar portos brasileiros das Regiões Sul e Sudeste ao Chile

O projeto visa ao aumento da integração econômica sul-americana, considerado prioritário pelo governo federal

Anac faz audiência pública sobre uso do Aeroporto Santos Dumont
Lucro da OHL cresce 12% no trimestre
Portos do Paraná investem na compra de draga própria

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social  (BNDES) promove hoje (10) em sua sede, no Rio, sessão de esclarecimento para instituições que queiram elaborar estudos de viabilidade para  a implantação de um sistema logístico ferroviário de carga entre os portos do Sul e Sudeste do Brasil e do Chile. O projeto visa ao aumento da integração econômica sul-americana, considerado prioritário pelo governo federal.

As empresas interessadas  em participar da chamada pública poderão apresentar  estudos técnicos detalhados para o Corredor Ferroviário até o próximo dia 24. Os estudos devem incluir  desde o mapeamento das alternativas do traçado e a integração com outros modais de transporte, até estimativas de receita, custos operacionais e investimentos. Os documentos deverão conter também avaliação institucional e regulatória dos países que poderão integrar o corredor.

De acordo com a assessoria de imprensa do BNDES, a instituição fará a avaliação dos projetos em dois meses. Os estudos aprovados  terão dez meses para serem desenvolvidos. Os resultados ficarão disponíveis na internet.

Empresas brasileiras públicas e privadas e instituições de ensino e pesquisa  poderão se candidatar ao apoio financeiro não-reembolsável do BNDES para a realização dos estudos. Os recursos são oriundos do Fundo de Estruturação de Projetos (FEP), formado por parte do lucro do banco.

A assessoria do BNDES informou ainda que a integração do comércio internacional entre os Oceanos Atlântico e Pacífico constitui o principal desafio para o incremento comercial entre os países da América do Sul. Nesse sentido, o transporte ferroviário de cargas tem papel importante a desempenhar, mas é preciso que sejam resolvidos alguns entraves observados nesse modal de transporte  em toda a região, entre eles a má conservação dos equipamentos e a falta de integração dos sistemas. (Alana Gandra – Repórter da Agência Brasil)

Link para a matéria

COMMENTS