Corredor ferroviário vai ligar portos brasileiros das Regiões Sul e Sudeste ao Chile

O projeto visa ao aumento da integração econômica sul-americana, considerado prioritário pelo governo federal

Governador Requião anuncia projeto de duplicação da Rodovia dos Minérios
Holandeses prospectam negócios no RS
Diretor da ANP considera difícil Brasil adotar carro de passeio movido a diesel

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social  (BNDES) promove hoje (10) em sua sede, no Rio, sessão de esclarecimento para instituições que queiram elaborar estudos de viabilidade para  a implantação de um sistema logístico ferroviário de carga entre os portos do Sul e Sudeste do Brasil e do Chile. O projeto visa ao aumento da integração econômica sul-americana, considerado prioritário pelo governo federal.

As empresas interessadas  em participar da chamada pública poderão apresentar  estudos técnicos detalhados para o Corredor Ferroviário até o próximo dia 24. Os estudos devem incluir  desde o mapeamento das alternativas do traçado e a integração com outros modais de transporte, até estimativas de receita, custos operacionais e investimentos. Os documentos deverão conter também avaliação institucional e regulatória dos países que poderão integrar o corredor.

De acordo com a assessoria de imprensa do BNDES, a instituição fará a avaliação dos projetos em dois meses. Os estudos aprovados  terão dez meses para serem desenvolvidos. Os resultados ficarão disponíveis na internet.

Empresas brasileiras públicas e privadas e instituições de ensino e pesquisa  poderão se candidatar ao apoio financeiro não-reembolsável do BNDES para a realização dos estudos. Os recursos são oriundos do Fundo de Estruturação de Projetos (FEP), formado por parte do lucro do banco.

A assessoria do BNDES informou ainda que a integração do comércio internacional entre os Oceanos Atlântico e Pacífico constitui o principal desafio para o incremento comercial entre os países da América do Sul. Nesse sentido, o transporte ferroviário de cargas tem papel importante a desempenhar, mas é preciso que sejam resolvidos alguns entraves observados nesse modal de transporte  em toda a região, entre eles a má conservação dos equipamentos e a falta de integração dos sistemas. (Alana Gandra – Repórter da Agência Brasil)

Link para a matéria

COMMENTS