R$ 7,91 milhões arrecadados em 18 meses

De acordo com a Sinfra, nesse período trafegaram pelos quatro trechos pedagiados cerca de 1,80 milhão de veículos, média de 7,1 mil veículos por dia

Petrobras e Inmetro apresentam veículos que terão etiqueta de conservação de energia
Petrobras investirá no país 85% dos recursos previstos até 2012
Congonhas é aeroporto exclusivamente doméstico

A arrecadação com a cobrança de pedágios em quatro trechos de três rodovias estaduais de Mato Grosso atingiu a cifra de R$ 7,91 milhões nos últimos 18 meses, considerando o início da cobrança de dois trechos em dezembro de 2006. De acordo com a Secretaria de Infra-estrutura do Estado (Sinfra), nesse período trafegaram pelas rodovias cerca de 1,80 milhão de veículos, com uma média de 7,1 mil veículos por dia. Desde o início deste ano, os carros de passeio, até então isentos, estão pagando a taxa e contribuíram em cerca de 20% a 25% para o incremento de receitas nas praças pedagiadas.

O trecho que gerou o maior volume de receita com pedágio é o da MT-242 (Sorriso-Ipiranga do Norte) – inaugurado em dezembro de 2006 – numa extensão de 66 quilômetros ao norte do Estado. De acordo com a Associação dos Produtores para a Construção Asfalto Sorriso a Ipiranga do Norte (Apasi), só até o final do primeiro semestre deste ano haviam sido arrecadados R$ 3,50 milhões com a cobrança de pedágio. Já o montante dos gastos com folha de pagamento, despesas operacionais e investimentos em prevenção e manutenção da rodovia totalizaram R$ 2,46 milhões, gerando um superavit de R$ 1,04 milhão a serem aplicados na própria rodovia. Nesse trecho circulam em média cerca de 60 mil veículos por mês, gerando uma receita média de R$ 195 mil/mês.

Outro trecho com bom volume de arrecadação é o que liga Lucas do Rio Verde a Tapurah, de 97 quilômetros, na MT-449, também ao norte do Estado. A cobrança do pedágio neste trecho começou a vigorar a partir de dezembro de 2006 e até agora foram arrecadados R$ 2,26 milhões, para um movimento médio de dois mil veículos por dia.

A MT-242, ligando Sorriso a Nova Ubiratã, numa extensão de 83 quilômetros e movimento médio de 1,3 mil veículos, teve uma arrecadação estimada de R$ 1,65 milhão no período de 12 meses de operação do pedágio.

O trecho mais novo com pedágio em Mato Grosso está na MT-235, de 103 quilômetros, inaugurado em maio, ligando Nova Mutum a Santa Rita do Trivelato, por onde trafegam diariamente cerca de mil veículos, gerando uma arrecadação média mensal de R$ 180 mil. Em pouco mais de dois meses de operação, foram arrecadados cerca de R$ 500 mil.

AVALIAÇÃO 

O presidente da Apasi, Nodimar Corrêa, diz que a cobrança de pedágio nas rodovias estaduais vem dando certo e todos estão satisfeitos. “No caso da MT-242, a situação da rodovia melhorou substancialmente e todos elogiam a iniciativa. Acredito que os usuários das outras rodovias também estejam colhendo os frutos deste investimento”. Segundo ele, os motoristas e caminhoneiros aprovaram o sistema e estão percebendo melhoria nas rodovias.

PREÇO DO PEDÁGIO 

O valor do pedágio cobrado em Mato Grosso é de R$ 3,50 por eixo. Um caminhão com capacidade para 27 toneladas, com 5 eixos, paga R$ 17,50. Os caminhões podem ter até nove eixos, pagando pedágio máximo de R$ 31,50. Carros pequenos (automóveis de passeio) e veículos utilitários de pequeno porte, como as camionetas, com peso de até uma tonelada, que estavam isentos da cobrança, pagam R$ 3,50. Para os veículos que excederam a mil quilos, está sendo cobrada a tarifa única de R$ 3,50/veículo.

MANUTENÇÃO 

O coordenador de Programas Especiais da Sinfra, César Augusto Ribas, explicou que a cobrança do pedágio visa garantir a manutenção das rodovias e coibir o excesso de peso dos caminhões. Com isso, se espera aumentar a vida útil das rodovias e reduzir a depreciação dos veículos e os custos com frete nas rodovias estaduais. “O cálculo é de que com a rodovia bem preservada, o custo do transporte cai em US$ 0,50 por saca de soja”.

Segundo ele, todo o dinheiro arrecadado com o pedágio está sendo repassado para as praças de pedágio e aplicado na recuperação, manutenção e conservação das rodovias, “assegurando uma trafegabilidade confiável e um transporte de boa qualidade para os usuários”.

Link para a matéria

COMMENTS