PRF registra em julho menor número de mortes em quatro anos

Para a PRF a lei 11.705/08, que tornou mais rigorosas as punições para quem bebe e dirige, teve forte influência nos resultados

Mercado interno deve continuar a aquecer produção de veículos, diz Anfavea
Grupo da CDH reúne-se nesta segunda-feira para discutir condições de trabalho dos motoristas profissionais
Setor de implementos prevê reaquecimento

Pela primeira vez em quatro anos, a Polícia Rodoviária Federal registra o menor número de mortes em rodovias federais durante o mês de julho, período de férias escolares. A quantidade de mortos caiu 14,5% em relação à mesma época de 2007. Nos 31 dias do mês, foram registrados 10.500 acidentes, com 530 mortos e 6.005 feridos. No ano anterior, foram contabilizados 10.531 acidentes, 620 mortos e 6.433 feridos.

Para a PRF a lei 11.705/08, que tornou mais rigorosas as punições para quem bebe e dirige, teve forte influência nos resultados. Segundo a polícia rodoviária, o mês de julho apresentou todas as condições para que a quantidade de acidentes disparasse, já que o tempo bom na maior parte das regiões do país, o aquecimento da indústria automotiva e o turismo interno em alta foram incentivadores para que muitas famílias brasileiras procurassem o transporte terrestre para as viagens de férias.

De acordo com informações do Instituto Nacional de Meteorologia (www.inmet.gov.br), 95% das regiões brasileiras apresentaram tempo bom, com chuvas localizadas apenas no litoral de Alagoas e Rio Grande do Norte. Segundo a Associação Brasileira das Agências Viagens (Abav), o turismo interno cresceu 25% em relação ao primeiro semestre de 2007.

O álcool e o excesso de velocidade foram combatidos com rigor máximo, segundo a PRF. Em todo país, demonstrações de descaso com a segurança da sociedade foram flagradas pela Polícia Rodoviária Federal. Imagens captadas por 80 radares da PRF permitem concluir que as boas condições viárias incentivaram o aumento da velocidade média nas estradas. Casos de motoristas trafegando a mais de 150 km/h foram comuns em todas as regiões do país.

A ingestão de bebidas alcoólicas também revelou absurdos. Um motorista de caminhão, envolvido em acidente de trânsito na BR 262, em Minas Gerais, foi reprovado no teste de alcoolemia após o etilômetro registrar 1,93 g de álcool / litro de ar. Esta quantidade é 19 vezes maior que o limite tolerado pela legislação brasileira. Na BR 163, em Mato Grosso do Sul, e BR 060, em Goiás, outros dois condutores também acabaram flagrados por equipes de fiscalização com índices superiores a 1,9 g / l.

Há quatro anos, a Polícia Rodoviária Federal não registra números tão baixos de mortes durante férias escolares. Apenas o ano de 2003 foi menos violento que 2008. No entanto, o período era de incerteza econômica e as condições rodoviárias afastavam muitos motoristas do transporte terrestre, explica a PRF.

COMMENTS