Ministério dos Transportes aprova extensão da Ferroeste até Paranaguá

Além da previsão em contrato, o projeto comprova econômica e socialmente a necessidade de construção de outros trechos

Volvo propõe suspensão temporária de contratos
Bancos japoneses ajudam BNDES a financiar projetos
Conab realiza quinta-feira mais um leilão de milho

O projeto de expansão da Ferroeste deve ser encaminhado ainda este mês para técnicos do BNDES e da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), para que sejam iniciados os procedimentos relacionados ao financiamento e regulamentação do novo trecho que liga Guarapuava, na região Centro-Sul do Paraná, a Paranaguá. Atualmente, a ferrovia pública liga Cascavel a Guarapuava.

A ferrovia, que tem como possibilidade em seu contrato de concessão a construção de novos ramais, teve um projeto de pré-viabilidade de extensão aprovado pelo Ministério dos Transportes.

Além da previsão em contrato, o projeto comprova econômica e socialmente a necessidade de construção de outros trechos. O estudo foi apresentado em Brasília pelo secretário dos Transportes do Paraná, Rogério W. Tizzot, e pelo diretor presidente da Ferroeste, Samuel Gomes.

De acordo com o secretário Tizzot, os dados levantados “indicam o alto grau de viabilidade da construção da ferrovia, tendo em vista o volume de cargas não apenas da região Oeste do Paraná, mas também do Estado do Mato Grosso do Sul e dos países vizinhos, como Paraguai e Argentina”.

“Precisamos seguir o caminho do desenvolvimento e isso só será possível se apostarmos nos modais de transporte mais baratos e eficientes e ampliarmos a multimodalidade, através do incremento das ferrovias, de modo prioritário”, complementa o secretário.

A viabilização de um sistema multimodal de Transportes e a redução de custos para o escoamento da produção paranaense são algumas das vantagens da construção da extensão da Ferroeste. “A nossa principal meta é contribuir para o incremento da logística de desenvolvimento sustentável do Brasil”, explica o presidente da companhia Samuel Gomes.

Link para a matéria

COMMENTS