Morte no trânsito cai 57% em dia de blitz após lei seca

Secretário Estadual de Segurança Pública atribui queda de mortes no trânsito às blitze realizadas pela Polícia Militar

Óleo diesel passa a ser vendido no país com a adição de 4% de biodiesel
Setor de “courier” deve dobrar no país
Praça de pedágio vai parar na Justiça

Dados da Secretaria da Segurança Pública do Estado de São Paulo, a partir de levantamento feito nos três institutos médicos legais da capital, revelam uma queda de 57% no número de mortes no trânsito desde a implantação da lei seca, nos dias em que ocorreram as blitze da Polícia Militar.

Segundo informou ontem a assessoria de imprensa do órgão, o secretário da Segurança, Ronaldo Marzagão, atribui a redução à fiscalização da PM por meio da Operação Direção Segura, que ocorre sempre de quinta-feira a domingo e se tornou mais intensa após a lei federal 11.705 entrar em vigor em 20 de junho.

A Folha revelou na semana passada que o número de abordagens por dia aos motoristas da cidade de São Paulo aumentou 80% após a entrada da lei, que prevê tolerância zero e até prisão para o motorista flagrado após beber. De acordo com a secretaria, há um decréscimo no número de mortos envolvidos em acidentes de trânsito ao se comparar os 12 primeiros dias da ação da PM no mês de junho com os oito dias seguintes de blitz.

O levantamento do IML (Instituto Médico Legal) leva em consideração apenas o número de mortos registrados de quinta a domingo, justamente os dias em que acontece a Operação Direção Segura. Não foram computados dados de mortes nos outros dias da semana. Os registros são das três unidades do IML na capital, nas regiões sul, leste e centro, que atende também as áreas norte e oeste.

Concluído na última sexta-feira, o levantamento revela que, dos dias 5 a 8 de junho, quando ocorreram blitze da PM, foram registradas 14 mortes. Entre os dias 12 e 15 de junho, foram 11 e, de 19 a 22 do mês passado, dez mortes.

A Operação Direção Segura já existia antes da lei, mas a fiscalização só começou a se intensificar mesmo em 26 de junho, uma quinta-feira, conforme havia dito à Folha o major Ricardo Fernandes de Barros, comandante interino do 34º Batalhão de Trânsito.

E foi justamente durante a ação mais intensa da PM, de 26 a 29 de junho, que o IML verificou uma queda acentuada no número de mortes de trânsito -cinco. O mesmo número se repetiu no começo de julho, entre os dias 3 e 6.

A Secretaria da Segurança informa, por meio de nota, que, “para calcular o índice, os números dos três primeiros finais de semana de junho foram somados e divididos por três, para que se chegasse a uma média aritmética simples”.

O resultado foi de 11,7 mortes, continua a nota, que, “se comparado ao número de mortes registradas no último final de semana de junho e no primeiro de julho, em que a lei já era conhecida do público, revela a queda de 57%”.

Marzagão disse, por meio de sua assessoria, que a lei “deu às polícias um instrumento mais poderoso para combater os acidentes de trânsito”, principalmente com o reconhecimento do bafômetro como prova de possível embriaguez do condutor do veículo.

COMMENTS