Volvo estima fechar mais de R$ 1 bilhão em negócios na Fenatran

Volvo estima fechar mais de R$ 1 bilhão em negócios na Fenatran

Montadora sueca espera atingir recorde de vendas durante o evento, com o maior volume de negócios já alcançados pela Volvo em toda a história da Fenatran

Aprovação de financiamento de caminhão em quatro horas?
Como calcular a Tabela de Frete?
Tudo azul nas terras do Tio Sam, mas depende da NAFTA

A Volvo estima terminar sua participação na Fenatran 2019 com mais de R$ 1 bilhão em negócios, somando-se a venda de caminhões, planos de manutenção e serviços financeiros, como seguros e consórcio. O resultado esperado é aproximadamente o dobro do registrado na edição anterior da feira, realizada em outubro de 2017. Segundo Alcides Caalcanti, diretor comercial de caminhões da volvo no Brasil, “além de um importante momento para poder lançar novos produtos e serviços e apresentar as novas tecnologias de transporte, a Fenatran está sendo um excelente evento de negócios para a Volvo”, comemora o executivo.

O caminhão mais procurado pelos transportadores durante o evento foi o FH 540cv 6×4, justamente o modelo mais vendido no Brasil entre todas as marcas em 2018 e no acumulado do ano até agora. A empresa também bateu recordes de vendas de planos de manutenção, de seguros e de consórcio.

Atualmente, sete em cada 10 caminhões vendidos pela marca tem algum tipo de plano de manutenção. O principal e mais completo é o Ouro, que cobre todas as manutenções preventivas e corretivas do veículo durante o período contratado. O cliente só precisa se preocupar com a troca de pneus, o motorista e o combustível.

A Volvo Financial Services Brasil também teve um excelente resultado na comercialização de seguros e de cotas de consórcio. Nesta Fenatran, a VFS trouxe condições especiais para financiamento, seguros e consórcio. Entre outros produtos, lançou uma atualização do Financiamento Sazonal para a compra de caminhões, uma modalidade voltada para os transportadores cujos setores são impactados pela sazonalidade da produção e precisam de uma opção especial de pagamento das parcelas.

Ricardo Panessa, especial para a Agência Transporta Brasil

COMMENTS