Nikola e CNH se unem para fabricar caminhões movidos a células de combustível e bateria

Nikola e CNH se unem para fabricar caminhões movidos a células de combustível e bateria

Investimentos de US$ 250 milhões vão acelerar o cronograma de produção dos caminhões pesados Nikola TWO e TRE

CEO da Marcopolo vai alçar novos voos
Scania nova geração e sistema TMA: eficiência comprovada
Os astros de março

A CNH Industrial confirmou durante a Fenatran sua parceria estratégica e exclusiva para caminhões pesados com a Nikola Corporation, empresa que tem sede em Phoenix, no Arizona, EUA. O objetivo é acelerar a transformação da indústria em direção à neutralidade de emissão de caminhões pesados na América do Norte e Europa através da adoção da tecnologia de células de combustível.

A participação da CNH Industrial no negócio engloba investimentos da ordem de US$ 250 milhões na Nikola, compreendendo US$ 100 milhões em dinheiro e US$ 150 milhões em serviços, para o desenvolvimento de produtos, engenharia de fabricação e assistência técnica, além do fornecimento de alguns componentes-chave para acelerar o cronograma de produção dos caminhões Nikola TWO e TRE.

 

Iveco e FPT Industrial, marcas de veículos comerciais e de powertrain da CNH Industrial, respectivamente, ajudarão com suas expertises de engenharia e manufatura para industrializar os caminhões elétricos de célula de combustível e bateria da Nikola. Os seguintes veículos se beneficiarão dessa parceria: Nikola ONE e Nikola TWO, para o mercado da América do Norte; e o Nikola TRE, para a Europa.

A Nikola contribuirá com tecnologias para uma joint venture europeia com a CNH Industrial, que incluirá as expertises da empresa em células de combustível, eixos eletrônicos, inversores, suspensão independente, armazenamento de hidrogênio a bordo, funcionalidade de atualização de software no ar, infotainment, controles do veículo, protocolos de comunicação veículo-estação, acesso a uma rede de abastecimento de hidrogênio, entre outras.

A tecnologia de células de combustível é o próximo passo lógico para os motores movidos a gás natural liquefeito (GNL), à medida que se baseia nas redes de reabastecimento existentes, permitindo a produção local de hidrogênio. A FPT Industrial já produziu mais de 50.000 motores movidos a gás natural até o momento e a Iveco é a líder na Europa em veículos a gás natural, com cerca de 28.000 de seus caminhões e ônibus movidos a motores da FPT Industrial.

Por Ricardo Panessa, especial para a Agência Transporta Brasil

COMMENTS