Muita tecnologia e suor: por dentro das ações da Meritor

Muita tecnologia e suor: por dentro das ações da Meritor

A Agência Transporta Brasil esteve na fábrica da Meritor para conhecer a produção da coluna vertebral dos caminhões: seus eixos. E a seguir contamos pouco mais sobre toda tecnologia empregada nos produtos, projetos para o futuro e ações para Fenatran

ZF lança “fase de testes” de programa com foco em capacitação de mecânicos
ZF cria ação para premiar mecânicos brasileiros
Meritor investe em serviços para fortalecer relação com clientes

Fazer um tour na fábrica da Meritor, em Osasco, São Paulo, é uma viagem para o que existe de mais moderno na fabricação de eixos de caminhões no Brasil. “Estamos vivendo uma verdadeira revolução das máquinas em todos os setores do mercado de trabalho. A revolução da produtividade já está em nossas portas”, explicou Luis Marques, Gerente Sênior de Marketing e Aftermarket da Meritor, que guiou a Transporta Brasil por essa experiência e nos contou sobre o que podemos esperar para os próximos anos.

Atualmente em Osasco a Meritor produz eixos, cardans e componentes para veículos comerciais e fora-de-estrada em uma linha totalmente adequada aos padrões lean manufacturing e com a inclusão da robótica em vários de seus setores. “Usamos a tecnologia da melhor maneira possível, para reduzir custos e ser mais produtivo”, diz Marques.

Toda essa tecnologia poderá ser vista na Fenatran 2019. “Nesta edição teremos o ‘Cantinho do Reparador e do Aplicador’ em nosso estande, que contará com um grande display do eixo em corte e vídeos de nossa produção. Será uma experiência de interação com os produtos da Meritor. O visitante terá a oportunidade de ver o produto com todo o detalhamento técnico e entender o processo de sua fabricação”, contou.

Novidade na Fenatran

Luis Marques adiantou para a Transporta Brasil que a eletrificação será o grande atrativo da Meritor nesta edição da Fenatran. “Estamos desenvolvendo há três anos, inclusive com a aquisição de algumas empresas para maior konw-how sobre essa nova forma de conseguir e transmitir potência para as rodas, este projeto. E agora ele será apresentado como protótipo em nosso estande”. O gerente conta que o eixo elétrico da Meritor já está sendo comercializado em baixa escala na Europa e Estados Unidos e que no Brasil já existem montadoras interessadas.

“Este é um caminho sem volta. Sabemos que o tempo de substituição será longo. Ainda temos problemas de infraestrutura no Brasil, mas com certeza nas grandes cidades esse será o futuro, porque essa tecnologia será mais barata e não poluirá”, explicou.

No estande também terá um eixo em corte da nova linha Off-Highway, fruto da aquisição da AxleTech, realizada em maio deste ano (Veja mais) e um caminhão da Fórmula Truck. “Vamos mostrar uma aplicação totalmente diferente, com componentes para itens para a corrida. Hoje estamos no oitavo ano da competição e podemos dizer com orgulho que todos os eixos dos veículos são Meritor”, diz Marques.

Mais ações para o reparador

O programa Frota Parceira, para atendimento, educação e auxílio aos frotistas, com acompanhamento dos processos de compra e implantação dos produtos Meritor nas frotas, está completando cinco anos. “Este projeto nos enche de orgulho. Esta é a oportunidade que temos como fábrica de estar junto com a pessoa que aplica o produto, de quem realmente usa. Com ele nós aprendemos muito. Atualmente estamos com duas unidades móveis que rodam pelo Brasil e atendemos desde o reparador, frotista e até o distribuidor”, contou Marques.

O gerente reforça que a Frota Parceira e a Universidade Meritor, plataforma de ensino a distância, com objetivo de promover melhor capacitação técnica para aplicação dos e seus produtos, são programas de sucesso. “Hoje no aftermarketing a Meritor cresce em torno de 40%. Temos certeza que tudo passa pela educação e acesso a novas tecnologias”.

Um 2020 promissor

Luis Marques vê com otimismo o próximo ano. “Tivemos um crescimento em torno de 15% em relação a produção do ano passado e temos uma perspectiva de mais de 10% para 2020”, contou Marques. Para o gerente o crescimento só não é maior por causa da exportação. “Se não tivéssemos a crise na Argentina o mercado poderia crescer 25% novamente”.

Patrícia Larsen, especial para Agência Transporta Brasil

COMMENTS