FM Logistic projeta dobrar faturamento no Brasil em três anos

FM Logistic projeta dobrar faturamento no Brasil em três anos

Atualmente o País equivale a 2% do lucro global da empresa francesa e a expectativa é chegar em 4% até 2022

Mercedes-Benz faz grande venda de ônibus para a República Dominicana
Petronas investe em conhecimento para uma maior rentabilidade
Fim do F-350: como ficam os semileves?

Para FM Logistic, o Brasil é uma economia em recuperação, que vem melhorando gradualmente da recessão que durou de 2014 a 2016. Por isso, a empresa, que é um dos principais operadores de logística e supply chain do mundo, tem direcionado atenção especial ao País.

“Acreditamos que em períodos de crise surgem as melhores oportunidades. É quando as empresas com experiência conseguem ampliar seu escopo de serviços e oferecer as melhores estratégias. A FM Logistic acredita que o Brasil é mercado-chave para os negócios e pretendemos dobrar o faturamento regional até 2022”, comenta Ronaldo Fernandes da Silva, presidente da FM Logistic do Brasil.

No ano fiscal de 2018-2019 (finalizado em 31 de março), a empresa registrou receitas de mais de 1,3 bilhão de euros, um aumento de quase 12% em relação ao período anterior. “Hoje, o Brasil equivale a 2% do faturamento global da empresa. E isso para nós é ótimo, pois é uma companhia que tem conquistado espaço desde a sua entrada em operação no mercado brasileiro, em 2013”, afirma Jean-Christophe Machet, CEO da FM Logistic.

Fundada há mais de 50 anos (em 1967), na França, a FM Logistic cresceu e se tornou um líder internacional em serviços para cadeia de suprimentos (armazenagem, transportes e co-packing). É uma empresa independente e de propriedade familiar. “Somos especialistas em atuar em segmentos importantes como bens de consumo, cosméticos e beleza, saúde, varejo e industrial. Nosso diferencial é que somos fiéis à nossa identidade familiar, com foco em pessoas, inovação e proatividade na estratégia de crescimento.”, completa o executivo, que cita entre seus clientes mundiais marcas como Nestlé, L’Oréal e Carrefour.

Anualmente, a companhia investe mais de 5 milhões de euros em tecnologia e inovação, que para o CEO, é o que fortalece os meios de desenvolvimento. No último ano, a empresa continuou a investir na automação dos processos de armazenagem, aumentando a eficiência operacional com a implantação de veículos guiados automatizados digitais (AGVs), robôs colaborativos e drones de estoque. A FM Logistic também segue no processo de digitalização, com a modernização de vários aplicativos e sistemas, por exemplo.

Retorno da divisão de transportes, agora com logística verde

A FM Logistic operou na divisão de transporte de cargas por cerca de doze meses, até abril de 2018, e após mais de um ano e meio ser oferecer esse tipo de serviço pretende começar o próximo ano fiscal (em abril de 2020) com o retorno dessa divisão, que de acordo com o presidente da empresa no Brasil, Ronaldo Fernandes da Silva, agora está muito mais estruturada e com possibilidade de ter frota própria.

Uma questão importante destacada por Jean-Christophe Machet, CEO da FM Logistic, é fazer cada vez mais uma logística verde, ou seja, com redução do impacto para o meio ambiente. De acordo com ele, os veículos que irão circular em nome da companhia devem estar dentro de um dos quatro modelos: 100% elétrico, híbrido, hidrogênio ou gás.

Investimentos futuros

Atualmente, a empresa conta no Brasil com uma área total de armazenagem de 180 mil metros quadrados, em cinco centros de distribuição multiclientes localizados em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Os negócios da empresa estão centralizados em 30% no segmento de bens de consumo, 27% em cosméticos, 22% no varejo e 21% no industrial.

“A FM Logistic é otimista em relação ao Brasil. Nossos investimentos estão bem estruturados vislumbrando cenários desenhados no curto, médio e longo prazo. Seguiremos customizando as operações para nossos clientes, oferecendo mais qualidade e custos competitivos”, finaliza o presidente da empresa no Brasil.

Thayná Alves, especial para Agência Transporta Brasil 

COMMENTS